Adolescente é vitima de bullying na escola promovido pela professora evangélica.

Adolescente de 15 anos passou a ser vítima de bullying e intolerância religiosa como resultado de pregação evangélica realizada pela professora de História Roseli Tadeu Tavares de Santana. Aluno do 2º ano do Ensino Médio na Escola Estadual Antonio Caputo, no Riacho Grande, em São Bernardo, o garoto começou a ter falta de apetite, problemas na fala e tiques nervosos.

Mais no Diário do Grande ABC:

Pró-Billings ainda está na primeira etapa
Demolição de casarão vira jogo de empurra em Diadema

Ele passou a ser alvo de colegas de classe porque é praticante de candomblé e não queria participar das pregações da professora, que faz um ritual antes de começar cada aula: tira uma Bíblia e faz 20 minutos de pregação evangélica aos alunos. O adolescente, que no ano passado começou a ter aulas com ela, ficava constrangido. Seu pai, o aposentado Sebastião da Silveira, 64 anos, é sacerdote de cultos afros. Neste ano, por não concordar com a pregação, decidiu não imitar os colegas. Eles perceberam e sua vida mudou.

Desde janeiro, ele sofre ataques. Primeiro, uma bola de papel lhe atingiu as costas. Depois, ofensas graves aos pais, que resolveram agir. "Ficamos abalados", disse Silveira. "A própria escola não deu garantias de que meu filho terá segurança."

O garoto estuda na unidade desde a 5ª série. Poucos sabiam de sua crença. E quem descobria se afastava.Da professora, ouviu que pregação religiosa fazia parte do seu método. Roseli não quis comentar sobre o caso.

A Secretaria Estadual da Educação promete que a Diretoria de Ensino de São Bernardo irá apurar a história e reconhece que pregar religião é proibido pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
Na escola, os alunos reclamam da prática. "Não aprendi nada com ela. Só que teria de ter a mesma religião que ela", disse um menino de 16 anos.

Exibições: 188

Responder esta

Respostas a este tópico

Bullying e mobbing é uma prática comum em escolas e ambientes de trabalho que deve ser cuidada com muita atenção.

A matéria de civismo e cidadânia deve dedicar uma lição a isso e como as crianças devem identificar essa situação e como as crianças devem reportar ao SOE e profissionais da aréa registrar, investigar e resolver o assunto.

O mesmo em ambiente de trabalhao. Deve ter cursos de relações de trabalho onde esse assunto deve ser tratado e como identificar e contactar recursos humanos, com identidade protegida, e fazer recursos humanos registrar e  investigar e resolver esse assunto.

Essa é a minha opinião.

Responder à discussão

RSS

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2020   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço