"A Avenida é dos blocos negros", por André Santana

Desfile do Afródromo, neste domingo, deixou uma pergunta: pra que novo circuito no comércio?

Ontem, 10/02, foi dado início a mais uma onda de africanização do Carnaval de Salvador (é, porque a resistência em aceitar as heranças africanas como as bases sólidas da nossa cultura são tantas que são necessárias várias ondas). O desfile do Afródromo trouxe para a passarela do Campo Grande (com justiça, nomeada Nelson Maleiro), os mantenedores das tradições, criadores dos ritmos, decoradores das nossas belezas, e alimentadores das nossas reais alegrias.

Brown comandou um belo desfile na manhã deste domingo, reunindo blocos afro e afoxés, desde os mais midiáticos como Ilê Aiyê e Filhos de Gandhy até os ainda não descobertos pelas oportunistas estrelas do axé music, como Arca do Axé, Bankoma e Mundo Negro. Todos lindos e completos em suas performances, em roupas, fantasias, danças, cantos e tambores. Muitos tambores, como ferramentas poderosas do nosso discurso de alegria como resistência à opressão, festa como sobrevivência frente ao extermínio. Apesar de tudo, “estamos vivos”, confirmam os tambores.

O desfile do Afródromo pelo Campo Grande, seguindo pela Avenida Sete em direção à Praça Castro Alves, provou que não precisamos de um novo circuito destinado à ‘guetificar’ ainda mais os blocos de matriz africana. Ainda bem que a proposta inicial, de realizar três dias de desfiles no Comércio, não foi possível para este ano, forçando a realização do espetáculo deste domingo.

Foto - Mauro Akin Nassor

Criar outro circuito é ir contra uma lógica que foi se engendrando na dinâmica do carnaval: o luxuoso circuito da Orla é dominado por artistas e foliões unidos economicamente e epidermicamente, que são os mesmos que ocupam aquela faixa próxima ao mar o ano inteiro, na baixa ou alta estação, para morar, trabalhar ou se divertir. São os que querem e podem ficar separados da gente do lugar, por cordas ou camarotes. Aquele “festival de verão a céu aberto” poderia ser em qualquer lugar do mundo. Bom que seja aqui, na nossa cidade. Já o Circuito do Centro reúne os que por aqui vivem, travam suas batalhas cotidianas e atraem todos aqueles que querem chegar perto da realidade soteropolitana, experimentar suas contradições e seu modo de viver a desigualdade, traço nacional. Por isso é no Centro da Cidade que as entidades negras devem estar. Aqui está o carnaval da tradição, das memórias populares, da criação e construção dessa grande festa e da renovação para que ela continue viva e forte. Nossa identidade está nessas ruas e becos que contam nossa história: Cabeça, Forca, Faísca, Aflitos, Maria Paz, Piedade, Dois de Julho, Paraíso, Rui Barbosa, Tesouro, Chile, ufa, é tudo nosso. É aqui que queremos brincar.    

 

Muito suor e lágrimas foram derramados para termos direitos a pisar nesse espaço. O Ilê ousou desfilar nestas ruas, em 1975, muitos outros negros e negras tiveram a mesma coragem antes e depois do Ilê. Desistir de lutar por uma participação respeitosa, no circuito Osmar, é retrocesso. Custou muito chegar ‘à cidade’, descer para o Comércio é desistir do páreo. O que precisamos é de respeito com essas entidades, rediscutir horários, financiamentos e exigências de profissionalismo à altura do crescimento da festa.  

Esse é o debate que deve ser travado: igualdade e respeito no disputado desfile da Avenida. Caso contrário, vamos descer e continuaremos coadjuvantes. Ou não foi um sinal o fato domingo Brown desfilar à frente, com poderoso trio, obsessivo assédio midiático e confuso discurso de miscigenação e, lá no fundo, virem os negros e seus tambores. Vamos celebrar o Afródromo, mas se ele realmente nos trouxer o protagonismo da festa no lugar onde historicamente ela acontece, que é o mesmo espaço de circulação e ocupação dos negros dessa cidade, o ano todo. Se é no centro que travamos nossas batalhas, é nele que demos celebrar nossas vitórias.  

André Santana é jornalista e mestre em Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia. É co-fundador do Instituto Mídia Étnica e do Portal Correio Nagô.

Exibições: 1237

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Adriana Roque dos Anjos em 11 fevereiro 2013 às 14:04

Eu presenciei este espetáculo lindo de se ver. E também defendo que não deveria ser criado um novo circuito, um novo espaço para se mostrar toda essa beleza negra. É lá na avenida, no centro que tem de acontecer este espetáculo da negritude que corre em nossas veias. E vou mais além. Minha opinião é que não só no Campo Grande, mas se reservar um dia para o circuito  Barra-Ondina também. Se é nosso, se é da terra, se Salvador é capital mais negra do país, porque não mostrar nossa beleza em todos os espaços??? Levar toda essa magnitude apenas para o bairro do Comércio é propagar a exclusão e revelar o que lindo de se ver só para alguns poucos.

Comentário de marcio meirelles em 11 fevereiro 2013 às 13:45

 emoção! ver tantos blocos afro invadindo a avenida no meio dia de domingo com sol e imprensa e autoridades e povo em geral. invadindo pra dizer e mostrar: estamos aqui e aqui é nosso lugar. brasil, é preciso ouvir seus negros. sabemos o q falamos e o q é preciso mudar! o carnaval tem q ser novo em folha no próximo ano! os negros tem q estar no centro da cidade e da festa!!!

Comentário de Maria Lais Góes Morgan em 11 fevereiro 2013 às 12:23
É bom com a Internet poder participar mesmo de longe
Deste Carnaval histórico, onde a cultura NEGRA dá/
Marca um passo de PODER.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço