Na quarta-feira próxima passada, dia 13 de agosto, o Brasil foi sacudido pela notícia de que um acidente aéreo no qual morreu o candidato à Presidência da República para as eleições desse ano, Eduardo Campos e outras seis pessoas. Nem bem passado o choque, muita gente começou a se perguntar: O que aconteceu com o avião e fez com que o mesmo caísse em uma área urbana da cidade de Santos, litoral de São Paulo?

Bem, o avião ia, para Santos, no litoral sul de São Paulo, quando teve dificuldades de pouso. Dentre os motivos inicialmente apurados, está o mau tempo, visto que chovia muito e um vento forte soprava a favor. Por causa disso, o piloto decidiu arremeter para a esquerda e aterrissar na pista no sentido oposto, com o vento contra. Denomina-se arremeter (ou borregar) o procedimento no qual o piloto (de uma aeronave) retoma o vôo da mesma depois de falhas no procedimento do pouso ou quando não tiver referência visual da pista. Durante o procedimento de pouso, caso o piloto perceba algum problema, ele acionará os comandos no avião para reverter o pouso e voltar a subir. Como no pouso o avião está com o bico (parte frontal) em um ângulo para baixo, e então estes comandos acionados farão o bico da aeronave voltar-se para cima. Ao mesmo tempo, o piloto acionará equipamentos que farão o motor aumentar a sua potência (que estava reduzida para o pouso) e, dessa forma, impulsionar o avião para subir novamente. Ou seja, ao arremeter o avião é colocado em regime de “força total”. Caso alguma variável infeliz seja introduzida nesse procedimento e mude a direção da aeronave, será extremamente difícil para o(s) piloto(s), recuperarem o comando operacional em tempo hábil.

Técnicos que investigam o acidente avaliam as possíveis causas para o trágico desfecho desde a possibilidade de a queda ter ocorrido devido à falha humana na condução da aeronave até problemas mecânicos do avião. Os técnicos avaliaram também a presença de pássaros ou drones próximos ao aeroporto, que poderiam ter se chocado com  o Cessna 560XL, que caiu com o político e sua equipe de campanha. A caixa preta da aeronave foi encontrada no final da noite de quarta-feira e levada para a Brasília na manhã de ontem. Segundo os técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), a caixa preta ficou muito danificada por causa do impacto e da elevação da temperatura causada pela explosão quando o avião atingiu as casas.

Mas, você, leitor, já se perguntou sobre como é que um avião voa? Sim, são milhares de aeronaves cruzando os céus ao redor do nosso planeta todos os dias. E ai? A física que garante ao avião a subida aos céus, a sustentação nos ares e a condição de se deslocar através do ar é mais simples do que se pode imaginar. As leis de Newton (Isaac Newton, 1643 – 1727) aliadas ao princípio de Bernoulli (Daniel Bernoulli, 1700 – 1782) fazem todo o trabalho. Vejamos a evolução das condições que possibilitam o vôo enquanto acompanhamos cada um dos esforços citados na ilustração.

A primeira lei de Newton diz: “Nenhum corpo alterará o seu estado de repouso ou movimento uniforme a menos que sobre o referido, incida a ação de uma força externa”. Logo, se o peso da aeronave (já no ar) é igualado pela sustentação, esta não alterará a sua posição em relação ao nível do solo, a não ser que haja uma intervenção (por exemplo, os comandos da aeronave ao alterar esse equilíbrio mudando o formato das asas ao manobrar os “flapes” introduzem essa “força externa”).

A segunda lei de Newton diz: Um corpo de massa m sujeito a uma força F sofre uma aceleração a, dada pela relação F = m x a (F é igual a m vezes a). É essa lei que define o tamanho da força que deve ser desenvolvida pela Sustentação para vencer a ação da gravidade, traduzida pelo Peso. Essa vitória da sustentação sobre o peso ocorre graças à ajuda do principio de Bernoulli e da terceira lei de Newton. O principio de Bernoulli diz que um aumento do fluxo de um fluido é acompanhado por uma diminuição da pressão. Assim a asa do avião tem forma arredondada na parte dianteira (veja a ilustração) de modo a forçar uma maior velocidade na massa de ar que circula na sua parte superior, e conseqüentemente, a pressão atmosférica na parte inferior da asa resulta mais elevada. A terceira lei de Newton diz: a toda ação corresponde uma reação igual em intensidade e oposta em direção.

Resumindo, o controle das quatro forças que atuam sobre um avião em vôo é a garantia de continuidade desse vôo.

Uma informação adicional quanto a aplicação ainda das leis de Newton, se refere ao caso (mais comum hoje em dia) das aeronaves impulsionadas por motores a jato. A terceira lei de Newton é que garante a força propulsora. Ao queimar o combustível, o motor o transforma em uma massa de gases aquecidos. A turbina acelera esses gases, lançando-os para fora (ação). Esses gases ao saírem acelerados (para trás) empurram a aeronave para frente (reação).

 

Referencias:

1.      Equipe desvenda mistérios do acidente que matou Eduardo Campos e outras seis pessoas; http://noticias.r7.com/domingo-espetacular/videos/equipe-desvenda-m... (acessado em: 19/08/14);

  1. The physics of flight (Newton and Bernoulli); http://www.portageinc.com/community/pp/flight.aspx (acessado em: 19/08/14);
  2. Arremeter; http://pt.wikipedia.org/wiki/Arremeter ;(acessado em: 20/08/14)
  3. Iamgem:Desenho do Autor em 20 e 21/08/14


 

Exibições: 1959

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço