Cerca de 90% das mortes de grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado

Ação no Twitter mobiliza sociedade por redução da mortalidade materna no Brasil

Mobilização contra mortes maternas no Brasil. Foto: UNFPA

Um estudo da ONU aponta que cerca de 287 mil mulheres morrem diariamente no mundo por problemas relacionados à gravidez. São quase 800 casos por dia, sendo que 90% das mortes de mulheres grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado.

A morte materna é um assunto sério que precisa ser debatido pela sociedade. No Brasil, em especial, essa é uma das dez principais causas de morte de mulheres com idade entre 10 e 49 anos.

Para dar mais visibilidade ao tema tão preocupante e que atinge a população globalmente, na próxima terça-feira, 28 de maio, será realizado nas redes sociais o twittaço #mortematernaNÃO

A data foi escolhida por ser o Dia Internacional pela Saúde da Mulher e Dia Nacional pela Redução da Mortalidade Materna. A iniciativa vai destacar que todas as mulheres têm direito à gravidez desejada e que todas as mulheres gestantes têm direito à atenção de alta qualidade, humanizada e não discriminatória, no pré-natal, durante o parto e no pós-parto.

O twittaço faz parte da Mobilização Nacional pela Promoção dos Direitos das Mulheres e Redução da Mortalidade Materna, uma ação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em parceria com redes e organizações da sociedade civil.

Durante todo o 28 de maio serão compartilhados, por meio da página do Fundo de População no Twitter (@unfpabrasil), com a hashtag #mortematernaNÃO, mensagens com informações sobre os índices de mortalidade materna no país, como garantir o acesso aos cuidados pre-natais de qualidade, à atenção obstétrica adequada, como evitar essas mortes e denunciar casos de violação do direito humano à maternidade segura.

No Brasil, de acordo com Ministério da Saúde, mais de 70% das mortes maternas são decorrentes de omissões, intervenções ou tratamentos incorretos ou, ainda, uma cadeia de eventos resultantes e relacionadas a essas causas.

A agência da ONU destaca a importância desta mobilização para ampliar o acesso à informação sobre direitos e cuidados com a saúde das mulheres grávidas para toda a sociedade, defendendo o atendimento de qualidade nos serviços de saúde, com respeito e igualdade.

Para saber mais, acesse a página da Mobilização Nacional pela Promoção dos Direitos das Mulheres e Redução da Mortalidade Materna – http://migre.me/eDk7Y – e leia a cartilha da Campanha pela Redução da Mortalidade Materna do UNFPA, disponível em http://bit.ly/10fN0Eh

Com informações da assessoria do UNFPA

Exibições: 263

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Gel Santos em 31 maio 2013 às 8:17

A falta de respeito as mulheres grávidas que precisam dos serviços médicos em nosso País, é uma realidade que revolta qualquer pessoa. Pagamos impostos para temos um bom atendimento mas o que ouvimos  na porta dessas maternidades  é o descaso generalizado. A maternidade Albert Sabin, localizada no bairro de Cajazeiras,é um centro de indignidade as mulheres grávidas tanto do bairro como de Salvador. A falta iluminação na entrada  da maternidade  já chama atenção.O resto é só descaso com a vida humana.   

  

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço