Para quem ainda acredita que na África existe apenas guerra e fome, aí vai uma surpresa.  Foi lançado esse ano na República do Congo o Way-C, um rival africano para o iPad da empresa americana Apple. O tablet foi colocado à venda em janeiro e por enquanto é vendido apenas em Brazzaville, capital do país, e Pointe-Noire, de acordo com seu inventor, Verone Mankou.

 

O Way-C, que significa "a luz das estrelas" em um dialeto do norte do Congo, foi inventado por Mankou de 26 anos, em sua empresa, a VMK. O aparelho custa US$ 300 e será comercializado em 10 países da África Ocidental, na Bélgica, França e Índia.

 

O Via-C foi desenvolvido no Congo, mas foi montado na China, para manter o preço baixo e por causa de falta de fábricas no país centro-africano. No site da empresa, Mankou descreve o tablet como sendo comercialmente acessível, sem ser um produto de baixa qualidade, e visa preencher uma lacuna no mercado para um dispositivo móveis especificamente para os africanos.

 

"Originalmente a idéia era criar um computador de baixo custo para levar acesso à Internet para tantas pessoas quanto fosse possível",  afirma Mankou. O tablet Android, que roda o sistema Android, é um pouco menor do que o iPad, e pesa 380g. Ele tem um processador de 1.2GHz, 512MB de RAM, 4GB de memória interna e suporta wifi. A vida da bateria é de 6 horas. "Em termos tecnológicos, este tablet é equivalente a todos encontrados no mercado", disse Mankou para a France-Presse.

 

 

* Fonte - All Africa e Facebook. Traduzido pelo CORREIO NAGÔ

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 1283

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Daniel em 11 junho 2012 às 23:38

Há sem dúvida um grande feito para países e pessoas tidas como inferiores quando o assunto é tecnologia. Ao meu ver o grande potencial é o caráter agregador de valor ao produto em, o fato de que é um produto 'produzido' na africa pelos africanos visando diminuir a segregação sócio-digital, que se de fato for considerado pode trazer bons resultados. Vale salientar como mencionado anteriormente que várias estratégias de formação de mercado nessa área de TI vem sendo colocadas em prática mas ainda com reduzida visibilidade ao nível das iniciativas. Acredito que os produtores negros e negras de tecnologia de uma forma geral devam se orientar nesse exemplo no sentido de criar novas alternativas tecnologicas que não as impostas por grandes empresas. Um dos exemplos que gosto sempre de citar e a necessidade do aprendizado ao software livre não somente pela seu aspecto libertador, o que sempre trazem em nosso discurso no aspecto de mobilização social... o que pode ser traduzido para o entendimento do SL de uma certa forma, mas sim pelo seu caráter de amplo aprendizado que auxilia o entendimento de como as tecnologias computacionais se desenvolvem criando múltiplas possibilidades de empreendimentos na área. 

Acredito que não só assim mas de diversas outras formas o empreendedorismo negro, seja ele voltado para publico fim seja voltado para publico em geral pode deslanchar afim de se ampliar e ser reconhecido pelo seu potencial.

Comentário de Instituto Mídia Étnica em 11 junho 2012 às 20:43
Comentário de Marco Antonio Soares em 11 junho 2012 às 18:08

Com a parceria da China os povos africanos poderão desenvolver todo o seu potencial reprimido pelo imperialismo americano e sionista. As elites escolarizadas terão espaço para contribuirem com o desenvolvimento das nações e romperem com o ciclo de subdesenvolvimento mantido pelas relações de dependência e exploração frente ao ocidente, que os mantiveram no atraso social e econômico que a ideologia dominante insistia em caracterizar como produto da cultura e até mesmo da "raça" nos tempos do colonialismo e do racismo pseudocientífico.

Comentário de Inaiá Boa Morte Santos em 11 junho 2012 às 10:00

Graças a Deus o avanço tecnologico esta chegando aos nossos irmãos, e vão se decolonizado. desejo sucessos

 

Comentário de Ari Sena em 11 junho 2012 às 9:53

  Para nós americanos do sul que sempre vivemos dentro de uma redoma  ideológica de comunicação que não permite ir além da Europa/Estados Unidos, é de grande importância receber informações deste nível, mostrando o desenvolvimento tecnológico em Africa, Quênia, Angola, Republica do Congo e outro que vem desenvolvendo tecnologia de ponta em varias áreas de comunicação ao petróleo. O Brasil que já vem apontando seus vetores de relações comerciais e tecnológica deve estar atento pois existe um grande potencial nestas nações africanas que serão o grande file do seculo XXI.   

Comentário de Jaguaracy Conceição em 11 junho 2012 às 9:36

Que bom ver que os nossos irmãos africanos estão avançando e buscando livrar-se do imperialismo.

Comentário de José Balbino em 11 junho 2012 às 7:44

uma coisa chata é a grande influencia da microsoft nos paises africanos.... investir em desenvolvimento de software e hardware opensource é um lance que deveria ser incentivado por lá, mas o dominio da ms é enorme, vigora até em acordos formais com governos federais de lá.. o exemplo brasileiro nessa área é muito significativo e vem realmente transformando o ramo do desenvolvimento por aqui. do desenvolvimento e do uso, ja que diretrizes .gov apontam o software livre como ferramenta de trabalho do servico publico por exemplo... mas é isso, vamos torcendo por outro mundo, e vale demais saber que o continente africano caminha bem nesse sentido.

Comentário de Keila Souza da Costa em 10 junho 2012 às 23:54

É muito bom saber um pouco mais sobre as inovações dos nossos irmãos! Informação de qualidade e livre de estereótipos e preconceitos! Parabéns ao CN!

Comentário de Keila Souza da Costa em 10 junho 2012 às 23:49

Ótimo exemplo!! As vezes a solução é encontrar nichos de mercados em determinadas regiões, reduzir preço e custo para ser competitivo. A criatividade e o empreendedorismo não têm fronteiras!!

Comentário de Instituto Mídia Étnica em 10 junho 2012 às 22:43

O continente africano vem cada vez mais buscando inovar em tecnologia. Países como Quênia, que já é um dos líderes globais no uso social do celular e Ruanda, que quer se consolidar como um "Vale do Silício" africano, são exemplos disso. Infelizmente a mídia quase nunca mostra esse lado do continente africano.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço