Africanos morrem de fome e mundo ignora - Por Ranulfo Bocayuva *



As imagens são chocantes e revoltantes: filas enormes de mulheres com seus bebês magros e famintos em busca de alimento, enquanto soldados armados somalis as vigiam contra possíveis ataques de rebeldes. Na verdade, estas cenas concorrem nos noticiários com reuniões de líderes europeus e americanos. Só se valoriza a África quando o tema é econômico, leia-se, seus cobiçados recursos naturais.

 

Vamos pensar um minuto: qual é a relação imediata entre a fome e a seca que podem matar 3,7 milhões de africanos na Somália, Quênia, Sudão, Eritreia e Etiópia e a crise na Europa e Estados Unidos?

 

A resposta lógica é a falta de prioridade a umas das piores crises humanitárias, em mais de 50 anos na África, por causa do agravamento das situações econômicas nas regiões capitalistas mais poderosas do planeta: EUA e Europa.

 

A comunidade internacional mostrou mais uma vez indiferença e lentidão, apesar das urgentes situações impostas pela corrosão progressiva das bases da União Europeia com a já esperada aceleração dos déficits fiscais das frágeis economias da Grécia, Portugal, Irlanda, Espanha e Itália, que pode inclusive provocar a expulsão de alguns destes países da ambiciosa aliança econômica e política para evitar o contágio da moeda, o euro. Simultaneamente, há preocupação crescente com os desafios do presidente Barack Obama para aumentar o teto da dívida astronômica americana da ordem de US$ 14 trilhões, que implicaria risco de calote com sérios impactos mundiais.

 

Estas duas crises capitalistas ofuscaram, sem dúvida, o contínuo drama africano. Desde o ano passado, os institutos meteorológicos já apontavam para a grave redução das chuvas no Nordeste da África, região normalmente seca e pobre, o que representava alerta para a provável falta de alimentos e água. Mas, segundo a ONU e a Oxfam, uma das importantes organizações humanitárias, os alertas foram ignorados.

 

Na medida em que a população mundial aumenta, a cada ano em 80 milhões de pessoas, totalizando hoje cerca de sete bilhões, a tendência é a falta de alimentos para nutrir a população, principalmente em regiões onde a degradação dos solos é mais intensa devido ao perigoso aquecimento global.

 

A Agência de Alimentação e Agricultura da ONU (FAO) calcula que, deste total, cerca de 1,75 bilhão de pessoas estão ameaçadas pela degradação das terras, porque é a produção agrícola que permite sua sobrevivência.

 

No caso de muitos países africanos, há ainda a guerra entre grupos rivais que impede a livre circulação de grupos populacionais em busca de refúgio. Rebeldes islâmicos somalis denominados Al-Shabab, aliados da Al-Qaeda, proibiram a entrega de alimentos em seus territórios. Era o que faltava para agravar ainda mais esta tragédia.

 

A nova crise do capitalismo, decorrente das “bolhas” imobiliárias entre 2007 e 2009, está levando o mundo a um estado de depressão semelhante à de 1929, quando os bancos não recebiam seus créditos e a economia ia por água abaixo com desemprego e miséria. O momento é, certamente, delicado, mas não se pode arrastar os africanos para o abandono total.

 

O Ocidente tem obrigações históricas e culturais em relação ao continente africano, em função de seus processos de colonização que geraram partilhas artificiais, conforme áreas de interesse econômico e político.

 

Não se pode apenas salvar bancos, mesmo que seja importante para evitar colapso econômico e desemprego em massa. Sem apoio, a África não sobreviverá: é preciso se investir urgentemente na produção de alimentos e proteção do meio ambiente. Talvez seja esta a chance para o capitalismo se reinventar por meio da lógica de produção de bens essenciais à vida.

 

* Ranulfo Bocayuva – Jornalista e diretor-executivo do Grupo A TARDE

Fonte: 

http://www.atarde.com.br/mundo​/noticia.jsf?id=5747673


Exibições: 119

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Instituto Mídia Étnica em 25 julho 2011 às 11:23
África/Situação catastrófica exige uma ajuda massiva e urgente, adverte Diouf 


Roma (Itália) - A seca no Corno de África provocou uma "situação catastrófica que exige uma ajuda internacional massiva e urgente", declarou hoje (segunda-feira) em Roma, o director geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), Jacques Diouf, durante a abertura duma reunião ministerial de urgência, noticiou a AFP.   

"É preciso salvar as vidas e reagir ", acrescentou Diouf, para quem 1,6 milhões de dólares (1,1 milhões de euros) são necessários para 12 meses e 300 milhões de dólares para os próximos dois meses.       

A seca que assola actualmente o Corno de África, a pior nos últimos 60 anos, ameaça 12 milhões de pessoas na Somália, onde a fome foi declarada em duas regiões, no Quénia, na Etiópia, no Djibuti, no Sudão e no Uganda.       

A reunião foi convocada pela FAO, a pedido da França, que preside actualmente o G8.    

O ministro francês da Agricultura, Bruno Le Maire, declarou ser necessário reinvestir na agricultura mundial. Acrescentou que se não forem tomadas medidas necessárias, a fome será "escandalosa nesse século", concluindo que "a nossa reunião aqui é uma questão de vida ou de morte para dezenas de milhares de pessoas",  afirmou.

fonte: http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/africa/2011/6/30/...

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço