Alguém se candidata a gostar de Salvador? por Sérgio São Bernardo

A cidade da Bahia conhecida como a cidade da fé barroca, das águas imantadas de prazer, e do sol da negrura da terra, também é conhecida como a cidade do mijo, dos que não têm lugar onde morar, dos que andam a pé, que não tem passeio público, que não tem estacionamento, dos jovens que morrem nas periferias, que se privatiza e se fecha para o restante da população. Salvador é uma cidade rica e plural, mas a diversidade é hierárquica. Poder e dinheiro mandam por aqui. Temos dedicados políticos, intelectuais e artistas que se vendem fácil para os grandes e ricos investidores da cidade. 

Um milhão de pessoas andam a pé na cidade. O sistema habitacional necessita de 100 mil casas. Mais de duas mil pessoas moram nas ruas. Entretanto, muitos vivem de estatísticas e relatórios sobre a miséria e a morte dos outros. Continuamos a fechar ruas e prédios e a transformar Salvador na cidade das Vilas, Residences e Palaces. Nas micro cidades sitiadas. É o fim da Cidade?

Impõe-se um choque cultural e o estabelecimento de um novo contrato social entre seus munícipes. Parece difícil para os candidatos que querem ocupar o poder da cidade enfrentarem os empresários gananciosos do setor imobiliário, do setor dos transportes, da coleta do lixo e do setor hoteleiro que mandam na cidade e nem parecem gostar tanto dela assim. O carnaval está chegando e precisamos saber qual o preço filosófico e civilizatório da baianidade nagô. Os espigões da orla irão tapar e privatizar a cidade enquanto pagamos para trafegar na cidade feita para carros. 

Com a recente notícia da vinda de 70 bilhões de investimentos privados para o Estado, fica o desafio de se pensar uma nova cidade. Salvador não nasceu apenas para ser uma fortaleza ou um centro da Colônia. A superação do Enigma Baiano tem que ser mais do que edificar uma forte indústria ou criar infraestrutura para acomodar grandes eventos. As empresas nacionais e os políticos de esquerda e de direita, mas do que pão e circo poderiam ajudar a protagonizar a refundação da cidade. A cidade precisa de quem goste dela. Na verdade, a cidade precisa de quem goste de quem vive nela.

Exibições: 108

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Rafaela Vipper em 21 dezembro 2011 às 20:33

Infelizmente cultura negra é uma coisa que no Brasil não tem importância. Estão preocupados em maquiar as cidades para a copa,só que a região nordeste não foi incluída no pacote. Tudo que está relacionado à cultura afrobrasileira é mais difícil, mais complicado. Que estes 70 milhões sejam realmente utilizado em benefício da  população baiana e que Salvador não seja apenas vista como um ponto histórico onde Cabral pisou há mais de 500 anos, como um estado habitado por maioria negra, como a terra do axé, do acarejé... Que Salvador seja vista como uma federação que tem suas necessidades e que nossos políticos não se lembrem da região nordeste somente para passa férias!

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2021   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço