Artigo: Lazzo I, o Magnífico por Jaime Sodré

Jaime Sodré
Professor universitário, mestre em História da Arte, doutorando em História Social sodre@atarde.com.br


Como sempre acontece no pós-Carnaval, a promessa é sempre começar a vislumbrar atitudes e mudanças para o próximo, enquanto procuro entender as vazantes de dois rios que parecem não se cruzar: um, caudaloso, pensando o Carnaval como uma atividade de negócios; o outro pensando o espaço da folia como oportunidade de expor aos olhos de muitos as suas qualidades culturais, apostando no direito à diversão e estímulo à estima. Negócios não são maléficos, o comércio também fez parte dos contatos milenares entre os povos, o que fico a meditar é sobre a razão de estes dois rios não se cruzarem.

Patrocínios para uns, negação para outros.

Consumidores em maioria, somos esquecidos quando se trata de blocos afros ou personalidades musicais negras em busca da chancela comercial. Desde o ritual da manhã até o anoitecer estamos lidando com produtos os mais diversos, porém isso não sensibiliza as empresas, nem ao menos uma simples pasta dentifrícia lembra-se que escovamos os dentes, ou não? Sabões, detergentes, desodorantes comprometidos com o asseio e limpeza não patrocinam ao menos a Lavagem de Itapuã, manifestação de asseio físico e espiritual.

No Carnaval o governo atende com um oportuno aparato financeiro aos blocos afros, com o programa Ouro Negro. Em boa hora, mas não basta, necessita-se do recurso privado, até porque ao governo cabe empregar os nossos recursos não só na folia, temos a saúde, escola, segurança, etc., para cuidar.

Mas, enquanto estudava a economia do Carnaval no âmbito da indústria cultural, na boa monografia de Bruna Silva e nos dados sobre os custos dos abadás e similares, elaborado pela Prof. Lúcia Maria, buscando compreensão e luz, não vi Lazzo Matumbi passar com o seu bloco Coração Rastafári, fundado, em 1998, com o objetivo de criar um espaço para o reggae no Carnaval. Bloco que saía sem corda e seguindo os conceitos de paz, igualdade e respeito. Lazzo, dono de uma voz privilegiada, um artista completo, um dos mais e merecidos aclamados cantores da comunidade baiana, não desfilou, problemas com patrocínio, ou de quem não reconhece neste astro uma oportunidade de atrelar os seus produtos a uma estrela ímpar.

Recordo de um artista negro sobre um trio, o dançarino Sebastian, recomendando um grande magazine. Aguardo ainda um bom anúncio da nossa (diva) Margareth Menezes, em tempos de Beyoncé. Questionava-me uma mulher afrodescendente não visualizar semelhante, nem em anúncios de absorventes.

Será que mulher negra não menstrua? Indagava, satirizando, claro.

Em 1959 o radialista Edmundo Viana e o jornalista Silva Filho colocaram o inigualável Ferreirinha, motorista da Sutursa, como rei Momo, ficando na função até 1988. Desfilava em carro alegórico do Campo Grande até a Praça Municipal, recebia a chave da cidade e hospedava-se no Hotel da Bahia. Em 1990 aconteceu o primeiro concurso para a eleição do Momo. Salvador assiste na contemporaneidade a um novo processo de escolha do rei.

Tivemos o Rei Clarindo Silva, polêmico, inusitado, que, seguindo a tradição histórica, recebe o epíteto de Clarindo I, “o Quebrador de Paradigmas”. Situação interessante, inaugurouse a presença do “magro” nos dias “gordos” de Carnaval. Segue-se Gerônimo, mais avantajado, excelente cantor e compositor, que se registra como Gerônimo I, “o Filho de Oxum”. Até há pouco estávamos sob as ordens de Pepeu Gomes I, “o discreto”, magistral guitarrista que não se fez acompanhar da rainha e princesas do Carnaval, ao que me parece.

Ainda seguindo as prerrogativas históricas, “antes que algum aventureiro ponha a mão na coroa carnavalesca”, permitam-me pleitear para 2011 a posse de Lazzo Matumbi I, “o Magnífico”. Requisitos históricos ligados ao Carnaval não lhe faltam, somado ao fato de ser um dos primeiros cantores do Ilê Aiyê e, com certeza, a cor desta cidade é também dele.

Porte, elegância e nobreza estão ali. Espero estar cumprindo a vontade de muitos: nós, súditos de vossa majestade, rogamos que aceite concorrer. Em sendo eleito, com aquele vozeirão, cante de cima do trio, para todos: “Vem correndo me abraça e me beija”, em tom de reparação.

Permitam-me pleitear para o Carnaval de 2011 a posse de Lazzo Matumbi I, “o Magnífico” [como Rei Momo]

Publicado na página A2, do jornal A TARDE do dia 24/02/2010

Exibições: 39

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço