Os jornais dos tempos coloniais expunham em seus classificados o próspero negócio de compra, venda e aluguel de pretos sequestrados, traficados e escravizados provenientes do continente Africano, além das fotos desenhadas de negros fugidos, apresentavam a polpuda recompensa para quem capturasse os procurados, que seriam posteriormente supliciados por ousarem se considerar humanos, e por sua liberdade assim aspirar.

Hoje, após fixar a festiva data do 13 de maio, dia e mês do aniversário de D. João; esse senhor da escravidão; como um marco no calendário cínico escolar; os telejornais, seguindo os Tempos Modernos, não mais desenham os negros fugidos; agora eles mostram ao vivo e a cores pela televisão e todas as mídias faladas e escritas, para que possamos comemorar finalmente o 14 de maio como o dia Nacional do Desemprego desse negro que nem camelô ou tabaréu tem a permissão de ser, já que são proibidos pelos atuais senhores feudais, esses donos da Casagrande contemporânea e chefes das famílias tradicionais, que hoje repartem as capitanias hereditárias nacionais.

Treze de maio foi o dia da Revolta Das Carrancas, no Estado das Gerais, de onde nossas Minas escoavam para enricar Portugal. Esse evento como data nacional não consta no atual calendário colonial. Calendário este, que endeusa esse assassino genocida chamado Caxias, que nomeiam ruas, bairros e cidades, assim como os cruéis bandeirantes, os arrogantes duques e duquesas, marqueses e princesas que hoje povoam os sonhos das crianças pretas adestradas pelos livros didáticos estáticos e pela mídia racista e fascista, comandadas pelas famílias tradicionais das capitanias hereditárias atuais.

Treze de maio deixou de ser o dia da Revolta em que se almejou a liberdade de um povo, para ser transformado no dia de comemoração do aniversário desse algoz que acorrentou a todos nós no pelourinho geográfico da dor, do desdém, do holocausto e que ainda nos faz refém, fazendo com que o escravizado mental permita que seu irmão seja tratado como animal pela força nacional, banalizando desse modo, essa semente do mal plantada na imensidão daquele canavial que financiou nossos Tempos Modernos tirando a europa da idade das trevas, e nos colocando numa permanente inquisição, onde a Polícia Militar, cumpre a risca o seu papel de proteger a elite brasileira e estrangeira dessa ameaçadora massa negra desempregada, que produziu, e ainda produz toda a riqueza dos ricos eurodescendentes que sempre comandaram os destinos da nação brasileira desde os tempos da invasão da Terra Brasilis.

Reparação aos Descendentes dos Povos Africanos Escravizados no Brasil, que ainda hoje sofrem as consequências desse crime histórico, é a única alternativa que atualmente se apresenta como viável para transformar esse país numa nação de fato, e não uma nação uni-étnica como sempre foi e tem sido o Brasil até o presente momento.

Essa nação que foi parida pela violência colonial, transformando o Filho da Pátria em marginal, excluindo a quem não se mostrava europeu e adestrando o negropeu como o lacaio que vai proteger seus interesses oligárquicos através da violência, patenteou o cidadão de bem como matador de qualquer Zé Ninguém, sem teto e sem chão; todo aquele alforriado que procura ganhar o seu pão de cada dia por todos os meios necessários, desde que concederam exclusivamente as cotas de trabalho e de empregos aos imigrantes europeus em solo tupiniquim.

Nos dias treze de maio, é visível a minha Carranca de Revolta estampada na face preta de quem almeja pela liberdade de verdade, em vez continuar a escutar os prolixos, gongóricos e pomposos discursos retóricos proferidos do alto dos púlpitos das assembleias, religiosas ou políticas, que esconde a face belicosa de quem golpeia e mata o povo que construiu essa nação.

Treze de Maio não, Reparação Já...!!

Exibições: 37

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço