Convite a reflexão - 07 de abril: Dia do Jornalista

 

Muito se sabe sobre a existência dos estereótipos construídos que alimentam a discriminação e o racismo que invade o ambiente que frequentamos e convivemos seja com os nossos amigos, colegas de trabalho, famílias ou até pessoas que não conhecemos mas que de alguma forma se aproxima de nós quando acompanhamos os seus casos nos meios de comunicação. Quem hoje ainda não conhece alguém que tenha sofrido algum tipo de preconceito, discriminação ou até passado por um caso extremo de racismo? Infelizmente, eu não conheço.

O fato é que na prática ainda há muito o que se fazer para desconstruir os estereótipos que o colonialismo difundiu e, enquanto não ocorrer, a sociedade brasileira irá continuar reproduzindo teses racistas, discriminatórias e conservadoras contra a África e os afrodescendentes possibilitando a permanência daquele velho ditado: “Todo mundo sabe mas pouca coisa se aplica”.

Hoje, em comemoração ao Dia do Jornalista quero possibilitar um momento de reflexão para todos os profissionais e colegas que apoiam o trabalho do Núcleo Educacional de Ações Afirmativas – NEAF e lutam para que a História Africana e Indígena se faça conhecida e reconhecida por todos como forma de descolonizar o imaginário e descontruir estereótipos.

A valorização das matrizes culturais africanas e indígenas e o diálogo acerca das questões etnicorraciais no âmbito das mais diferentes áreas necessitam da união entre os profissionais para disseminar os conhecimentos sobre a África. A África é parte desse continente e nós, jornalistas, museólogos, pedagogos, historiadores, publicitários ou seja lá qual for a área em que atuamos temos a obrigação de aprofundar o nosso conhecimento sobre a África e reconhecer os africanos como seres humanos iguais a nós. Enquanto a sociedade brasileira não entender a identidade africana como forma de se pertencer, a perpetuação dos atos discriminatórios continuará.

Infelizmente, a mídia ainda é um exemplo de reprodução do modelo que só diminui a história dos africanos enquanto formação do povo brasileiro. E por hoje ser um dia especial em que comemoro como um profissional de comunicação diplomado o Dia do Jornalista convido a todos a entender a História da África e conhecer a própria instituição brasileira. Vamos nos unir em prol do resgate do conhecimento e combate a discriminação e o racismo em nosso País. Se cada um fizer a sua parte esta tarefa se fará bem mais fácil.

Parabéns a todos os profissionais que compartilham o ideal de um mundo mais justo e igualitário e parabéns em especial, a todos os meus colegas e amigos jornalistas. Vamos lá, formadores de opiniões, ainda há muito o que se conquitar!

 

 

* Taiana Laiz Silva de Jesus - Graduada em Comunicação Social pelo Centro Universitário Jorge Amado - UNIJORGE com Habilitação em Jornalismo. Pós-graduando em MBA em Comunicação Corporativa, na Universidade Salvador - UNIFACS. Cursos de Extensão em Projeto Politico Pedagógico e Marketing para Instituições de Ensino ambas pelo Portal Educação. Atualmente, coordena o Núcleo Educacional de Ações Afirmativas – NEAF.

Exibições: 61

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço