Crime Racial

Enrique Patterson

Publicado em 26 de fevereiro de 2010, em ElNuevo Herald

__________

A morte do prisioneiro de consciência Orlando Zapata Tamayo, após uma dramática greve de fome de 81 dias, é um crime premeditado do regime castrista. A vítima não pedia mais do que condições de prisão de acordo com protocolos internacionais assinados pelo governo de Havana. Nenhuma das exigências deste mártir dos direitos civis e da liberdade de expressão era impossível de satisfazer e o governo cubano perderia nada, mas, ao contrário ganharia, caso concedesse.


Aqueles que conscientemente deixaram morrer este cubano, são os mesmos que - sob a ditadura contra a qual lutaram outrora – reclamaram e desfrutaram de condições de prisão mais que aceitáveis, apesar do caráter violento de suas ações. Ora, são os mesmos que, no comando da ditadura atual, deixam morrer um lutador pacífico que reivindicava condições de prisão que, sem comparação se aproximam daquelas das quais esses algozes atuais desfrutaram naquele
momento. Para agir de modo tão cruel precisa-se de uma grande decadência moral, além de grandes reservas de maldade e covardia. Mas o outro lado da questão é a razão pela qual se colocou tamanho ódio contra a vítima.


o recado enviado


A partir dos distúrbios populares, acontecidos em 1994, chamados de “Maleconazo” quando se deu o primeiro protesto popular massivo contra o regime, no qual a maioria dos participantes eram negros e mestiços, a repressão adotou um caráter particular com relação aos negros.

O próprio Fidel Castro admitiu esse tratamento diferenciado, em 2003, quando justificou o fuzilamento sumário de dois cubanos negros que haviam tentado roubar um barco para fugir do país. A execução não se enquadrava nas exigências puramente jurídicas previstas
para essa infração, mas sim pela necessidade de impor um castigo exemplar. Foi essa a psicologia que moveu a elite governante, em 1912, e sua soldadesca, quando decidiram cometer um grande genocídio contra a população negra, após a insurreição protagonizada pelo “Partido Independente das Pessoas de Cor”. E, agora, pelas mesmas razões de outrora, o regime deixa morrer um cubano do mesmo grupo étnico-social. Se trata, sim, de um recado enviado a toda dissidência cubana, em geral, mas, em particular, aos negros, cujo ativismo social e político tornando-se
cada dia mais intenso
.


o pedido da europa e a súplica deabdias nascimento


É verdade que o regime cubano é implacável em seu tratamento aos prisioneiros políticos, mas também é verdade que, às vezes, ele escuta. Mas ele escuta só de acordo com o que lhe convém, de acordo com aquele de quem vem o pedido e de acordo com a quem favorecerá a súplica. Assim, o regime ouviu aquelas personalidades políticas européias e libertou – com reservas – a alguém como o poeta Raúl Rivero, que havia sido preso na mesma data e junto com o compatriota agora falecido (Zapata). Mas, ao contrário, o regime se fez de surdo quando
personalidades comoAbdias Nascimento e intelectuais afro-americanos e caribenhos de renome pediram a libertação do Dr. Darsi Ferrer. Também o regime se faz de desentendido quando o clamor vem das camadas populares ou de outros setores do exterior, como no caso das vozes que
reclamavam em favor de Orlando Zapata e do Dr. Oscar Elias Bisset, para citar outro exemplo.


A vida de uma pessoa negra sempre teve um peso relativo, para as autoridades cubanas – seja qual for o poder instituído. Estão dispostos a deixar morrer uma pessoa negra, mesmo tendo de enfrentar um escândalo. Foi esse o fim que tinham preparado para o Dr.Ferrer, e que agora preparam paraGuillermo Fariñas. Na
verdade, estão poupando aquelas balas que talvez um dia terãode disparar em condições menos sofisticadas contra as massas descontentes. É por esse motivo, que chegou a hora de os negros conferirem maior valor às suas vidas nesta luta. Não
convém referendar a velha premissa do poder colonial que via as “peças de ébano” como coisa barata, considerando como irrisória a vida dos negros.


sem dúvida: um crime racial


Convém apontar para o fato de que a Cuba que existe no exílio deverá também revisar certas atitudes sobre este mesmo assunto. A propaganda desses exilados fica atenta quando um militante negro se sacrifica pelos direitos de todos, mas ela se torna indiferente ou mesmo reticente
quando se apontam as injustiças raciais específicas que foram cometidas antes da revolução e que seguem sendo cometidas hoje contra os negros. Ora, não é assim quando se tratam das reclamações dos outros grupos, como mulheres ou camponeses. É que a questão dos direitos dos negros, como grupo discriminado, também é considerada (na Cuba do exterior) como algo dispensável, tanto quanto a vida dos negros como indivíduos.


Orlando Zapata Tamayo passa a ser um número que é adicionado à longa lista de crimes do regime atual, mas com a agravante de que este, como no caso das execuções de 2003, é um crime racial. Um mártir a mais, um eleitor a menos, um parlamentar a menos, um empresário ou um líder sindical a menos. Se trata disso. Abdias Nascimento pediu ao Dr. Darsi Ferrer para
suspender sua greve de fome, e felizmente foi ouvido. Esperemos que as razões de Orlando Zapata pesem amanhã mais do que as denossos avós. Estes foram traídos pela mesma República que ajudaram a criar. Tendo sido a coluna vertebral das guerras de independência, foram traídos.
Assim, suas almas não puderam descansar em paz. Façamos com que, amanhã, este mártir de hoje descanse em paz, na hora em que todos puderem ser tratados com equidade. No momento, para as reivindicações que são recebidas com baionetas, a greve de fome é um
último recurso, à infame tortura da sede.


Filósofo, Representante Especial. no exterior do Partido Arco Progressista (PARP).


* Publicado originalmente no Memorial Lelia Gonzales.

Exibições: 37

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço