José Reinaldo Marques

Ações afirmativas e outras iniciativas que têm ajudado os negros a superar as mazelas sociais provocadas pelo preconceito e o racismo, principalmente nos campos da educação e do trabalho, a situação específica da mulher negra e o panorama sobre a vida dos remanescentes de Quilombos, no campo e na cidade, foram alguns dos principais temas abordados pelos vencedores do 1º Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento, cuja cerimônia de entrega foi realizada na noite desta segunda-feira, 7 de novembro, no Teatro Oi Casa Grande no Leblon, no Rio de Janeiro.

De um total de mais de 150 trabalhos inscritos, foram selecionados 21 finalistas para a etapa final, concorrendo a um prêmio de valor de R$ 35 mil (trinta e cinco mil reais), distribuído em sete categorias (Mídia Impressa, Televisão, Rádio, Mídia Alternativa e Comunitária, Internet, Fotografia e Categoria Especial de Gênero). Cada um dos primeiros colocados recebeu a quantia de R$ 5 mil (cinco mil reais), um troféu criado pela designer Maria Júlia e um certificado de participação.

O primeiro vencedor anunciado do 1º Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento foi o fotojornalista Domingos Peixoto, do jornal O Globo do Rio, na categoria Fotografia, com a foto ""Diploma de alforria", imagem que mostra o Quilombo Kalunga, no sertão de Goiás, que formou a primeira turma de ensino médio dentro de uma comunidade quilombola no Brasil. Ele recebeu o prêmio das mãos do Diretor de Cultura e Lazer da ABI, Jesus Chediak.

Os demais contemplados foram Eduardo Sales e Jorge Toledo, do jornal Brasil de Fato, de São Paulo, na categoria Mídia Alternativa ou Comunitária, com a matéria "Supermercado ou pelourinho?", reportagem que denuncia o racismo e a tortura cometidos contra consumidores negros nas três maiores redes de supermercados brasileiros: Extra, Walmart e Carrefour. Leandro Uchoa, que também trabalha no Brasil de Fato, recebeu Menção Honrosa na mesma categoria dos colegas, com a reportagem "Um quilombo no paraíso carioca".

Na categoria Internet, o prêmio foi compartilhado entre Carolina Pimentel, Daniela Jinkings, Gilberto Costa, Vladimir Platonw e Welton Máximo, da Agência Brasil-DF, com a série "Consciência negra". A reportagem deles A premiação para Rádio foi conquistada pelos repórteres da CBN-RJ, Eduardo Compan e Leandro Lacerda, com a matéria "O preconceito cronometrado".

A jornalista Célia Regina, da revista Raça Brasil, ganhou o Prêmio Especial de Gênero Jornalista Antonieta de Barros, pela reportagem "Mulheres negras". Conceição Freitas, repórter do Correio Braziliense, vencedora do principal Prêmio Esso de Jornalismo, em 2005, conquistou a categoria Mídia impressa, pela série "Negra Brasília", publicada em um caderno especial e que mostra a segregação social e espacial dos negros na Capital do País. Emocionada ela falou sobre o significado da premiação:

— Em primeiro lugar eu queria agradecer ao destino que me deu a chance de receber o primeiro Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento; e segundo, a chance que eu tive de com essa pauta, na minha idade, aprender o que é ser negra, afirmou a jornalista sob os aplausos entusiasmados da platéia.

A vencedora da categoria Televisão, Vera Valério, da TV Educativa de Alagoas, mostrou na reportagem "Quilombolas" a luta dos remanescentes de quilombos povoados de Alagoas pelo direito à terra. Ela recebeu a premiação das mãos da jornalista Glória Maria, cuja presença foi uma das surpresas da cerimônia.

A programação do 1º Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento contou também com três participações especiais: da atriz Ruth de Souza, que trabalhou com Abdias no Teatro Experimental do Negro e leu um poema em sua homenagem; do cantor Augusto Bapt e a banda Caixa Preta; e de um dos ícones da soul music no País, Gerson King Combo, acompanhado da banda Supergroove.

O cerimonial do evento foi muito bem conduzido pelos jornalistas Flávia Oliveira, colunista do Globo e comentarista da Globonews, e do repórter Rogério Coutinho, da Rede Globo.

Abertura

Logo na abertura do evento, foi comentado pelos organizadores que o indício de que o Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento foi bem recebido no meio jornalístico foi o alto índice de participação de profissionais de todo o País. A região Sudeste foi a que apresentou o maior número de inscritos (51% do total), sendo que Rio e São Paulo, com 20% e 23%, respectivamente, foram os estados que indicaram mais candidatos ao prêmio. A segunda região foi o Nordeste (29%), seguida pelo Centro-Oeste (14%). As regiões Sul e Norte, aparecem, respectivamente com 5% e 1% do total.

Flávia Oliveira provocou uma grande manifestação entre o público feminino, quando anunciou que as jornalistas mulheres bateram os homens em número de concorrentes: 57%, contra 43% dos profissionais masculinos.

Suzana Blass, Presidente do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, disse que a realização do Prêmio Abdias representava um momento especial na história da agremiação. Ela fez questão de elogiar e exaltar a iniciativa da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial do Sindicato (Cojira-RJ), da qual partiu a idéia do lançamento da premiação. No final ela convocou a platéia para um minuto de silêncio em homenagem ao cinegrafista Gelson Domingos, morto com um tiro de fuzil, no dia 6 de novembro, durante a cobertura de uma ação policial na favela de Antares (Zona Oeste).

Nilcéia Freire, da Fundação Ford, e Wellington Silva, da Oi, patrocinadores do evento, também deram o seu recado. Ela disse que ao ver o teatro lotado ficou emocionada e teve a certeza que decisão da Fundação Ford em apoiar o projeto tinha sido acertada. Nilcéia reafirmou o compromisso da entidade com as iniciativas de combate ao racismo e a promoção da igualdade no Brasil.

Wellington elogiou o trabalho "dos colegas que não abriram mão da sua cidadania e, exercendo o seu ofício, levaram para as redações a discussões sobre o racismo", ratificando com os seus trabalhos a importância do prêmio:

— Todos sabem da importância que a comunicação e os órgãos de imprensa têm na construção de todo um imaginário racista. Por isso eu acho que iniciativas como o Prêmio Jornalista Abdias Nascimento vão ajudar a combater esse processo, a fomentar essa discussão dentro das redações dos jornais, que não é algo fácil. Nós que vivemos essa experiência no dia a dia sabemos que a redação do jornal não é um espaço diferente do restante da sociedade brasileira, afirmou o jornalista.

Convidada a subir ao palco, emocionada, a viúva de Abdias, Elisa Larkin Nascimento disse que estava vivendo um dia de grande emoção e alegria. Segundo ela, o Prêmio Nacional Abdias Jornalista Nascimento "tem vários significados que podem ser destacados, mas o melhor deles é aquele que incentiva e traz um novo momento para a cultura de comunicação do jornalismo".

Relevância

Na opinião dos jornalistas e militantes do Movimento Negro que estiveram presentes ao evento, a desigualdade racial no Brasil é um assunto que demorou a ser encarado pela mídia como um debate relevante para sociedade brasileira de maneira geral, mas que a qualidade e a quantidade dos trabalhos inscritos (total de 150 reportagens) são uma prova que, apesar da demora, os meios de comunicação, estão reavaliando o papel importante que têm a exercer na construção de uma nação justa e democrática.

Vladimir Platonow, um dos integrantes da equipe da Agência Brasil-DF, disse que o Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento é um marco testemunhal da falsa democracia racial brasileira:

— Esse prêmio na verdade é uma mostra de que, infelizmente, embora ainda haja o discurso de que o Brasil é um país igualitário, isso não é verdade. E a gente torce para que esse discurso um dia seja de fato verdadeiro. Dizer que não há preconceito no Brasil é a mesma coisa que tentar esconder essa verdade debaixo do tapete, afirmou o jornalista.

Platonow disse que teve a oportunidade de entrevistar Abdias Nascimento e pode perceber que as suas idéias estão cada vez mais presentes no debate sobre a democratização da sociedade brasileira. E que o Brasil deve a Abdias o verdadeiro reconhecimento por tudo o que ele representa para o País:

— Eu acho que ele merece muito mais reconhecimento do que o Brasil deu a ele. É só a gente ler um pouquinho da sua biografia para perceber que ele fez muito mais pelo Brasil do que o País fez por ele. Esse Prêmio vai marcar quem é Abdias, declarou o repórter da Agência Brasil.

Jorge Américo, do Brasil de Fato, chamou atenção para o fato de que o número de concorrentes ao prêmio é um sinal de que está havendo uma mudança no comportamento dos veículos de comunicação:

— Em 150 momentos distintos do ano profissionais da imprensa estiveram preocupados com o racismo e as suas implicações políticas, econômicas e sociais. Na verdade, isso não é nada se comparado ao número de Redações e profissionais existentes no país, além da periodicidade dos veículos. Mas é um número considerável se olharmos sob o ponto de vista de que o racismo é um assunto proibido nas redações, nas escolas, nas esquinas, entre outros lugares.

A coordenadora do Prêmio, Angélica Basthi, da Cojira-RJ, disse que é importante ressaltar também a participação de veículos e jornalistas de várias regiões do País, pois isso demonstra que o racismo é uma pauta que está ganhando vida fora do eixo Rio—São Paulo.

Ícone

O fotógrafo Vantoen Pereira Jr. também falou do seu entusiasmo com o Prêmio Abdias Nascimento, pois via na figura do homenageado "um ícone da arte, cuja força política como militante nos traz muita luz". Sobre a premiação, Vantoen disse que se trata de um caminho que pode levar a alterações positivas no comportamento do jornalismo brasileiro:

— Mudanças sempre são bem vindas, nesse momento é um marco. Muito mais do que a própria mudança em si que é um conjunto de consciência e muitas outras coisas. Esse prêmio de jornalismo é um passo importante para que possamos (nós negros) cada vez mais conquistar os nossos espaços, afirmou o fotojornalista.

Ao ser referir à figura histórica de Abdias Nascimento, o radialista Rubem Confete lembrou que o grande legado que ele deixou para o Brasil foi ter conseguido realizar coisas que já tinham sido tentadas por outros líderes e associações do Movimento Negro brasileiro:

— O Prêmio Jornalista Abdias Nascimento significa outra etapa nas nossas vidas. Eu me lembro bem da Associação Cultural do Negro, em São Paulo, e de todos os movimentos que nunca chegaram a uma possibilidade dessas, de nós podermos premiar alguns companheiros que discutem cultura negra e sobre o negro na diáspora. Então eu acho essa premiação de suma importância. É um passo além, sobretudo nesse ano de 2011, que a ONU determinou para lembrar o legado dos afrodescendentes para a História da humanidade. E o Abdias tem tudo a ver com isso, tendo em vista o seu trabalho, afirmou Rubem Confete.

Confete recordou um encontro que teve com Abdias no Festival de Arte Negra, na África, em 1977:

— Foi onde ele pegou toda uma compreensão daquilo que ele já discutia desde os anos 30, apesar de ele não poder participar oficialmente do festival, porque estava exilado nos Estados Unidos por causa da repressão política vivida pelo regime do golpe militar de 64, que o considerava um foragido. Ele nos devolve tudo isso hoje com esse prêmio que eu considero uma maravilha para os nossos anseios (dos negros), porque por meio da palavra impressa, de todo os outros materiais jornalísticos que cada um dos premiados conseguiu produzir nós vamos ter história para contar. Salve Abdias Nascimento, declarou o radialista.

Carlos Alberto Medeiros, Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais, militante e especialista em relações raciais no Brasil e nos Estados Unidos, amigo em colaborador de Abdias em várias frentes, falou sobre o projeto político do ex-Senador:

— Abdias Nascimento é uma figura singular nesse universo político, intelectual, ativista, porque as suas idéias continuam tendo repercussão. É uma figura única porque participou da Frente Negra, na década de 30, lutou contra o Estado Novo, quando foi preso pela primeira vez, fundou o Teatro Experimental do Negro (TEN), participou da campanha "O petróleo é nosso!" Ou seja, uma figura que representa uma síntese da participação de brasileiros engajados nas lutas sociais que aconteceram no século XX e início do século XXI, afirmou Medeiros.

Para o professor e Babalorixá Ivanir dos Santos, membro da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, a criação do Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento é um marco no contexto das comunicações no Brasil:

— Primeiramente porque leva o nome do Abdias que é uma figura que dispensa comentários, segundo por se tratar do jornalismo que sempre se demonstrou resistente às nossas agendas, como uma área onde nós (negros) sempre aparecemos de forma negativa. Então um prêmio que começa a tratar de uma pauta positiva é muito bem vindo, estávamos precisando entrar nessa área de comunicação, que assim como mercado de trabalho e educação, é uma área importante.

Ivanir comentou também que normalmente os meios de comunicação são mais generosos em divulgar a participação dos negros no aspecto cultural, mas que nos outros aspectos da vida cotidiana os negros ou são invisíveis ou aparecem pelo viés da imagem negativa:

— Então um prêmio que incentive o jornalista a fazer matérias dando visibilidade para a sociedade brasileira ao que os negros fazem de positivo, o que sempre foi omitido, é uma grande iniciativa e um passo importante para todos nós, disse Ivanir dos Santos.

O Prêmio Jornalista Abdias Nascimento é uma iniciativa da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-Rio), vinculada ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e conta com a parceria da Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), do Centro de Informações das Nações Unidas no Brasil (Unic-Rio) e do CULTNE — Acervo Digital da Cultura Negra. Tem ainda o apoio da Superintendência de Igualdade Racial do Estado do Rio de Janeiro (SUPIR) e do Conselho Estadual dos Direitos dos Negros (CEDINE). O patrocínio é da Fundação Ford, Fundação W. K. Kellogg e da Oi.

Fonte: ABI

 

Exibições: 458

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço