Extermínio de jovens na Bahia é tema de ato público no sábado (16)


Para os jovens que ainda continuam vivos em Valença (BA), resta andar pelas ruas sem saber de onde vem o tiro, sem saber se voltarão para casa. A taxa de mortalidade por homicídios de jovens negros (15 a 29 anos) naquele município foi de 218,68 no ano de 2010, segundo dados do Plano Juventude Viva. Para o mesmo público e período, a capital Salvador teve taxa de 157,56, o que a posicionou como prioridade para o Governo Federal nesse tema. Nos últimos cinco anos, mais de 35 mil crianças e adolescentes, principalmente negras e de comunidades empobrecidas, foram assassinadas (de acordo dados do Mapa da Violência 2012 – Crianças e Adolescentes do Brasil, CEBELA e Flacso Brasil).

Inconformados com essa situação, adolescentes e jovens dos dois municípios farão um ato público no próximo sábado (16) no Largo Pedro Archanjo, Pelourinho, durante o show do grupo de hiphop Os Agentes no lançamento de seu CD e comemoração dos 10 anos de banda. O evento contará cerca de 800 pessoas, sendo a maioria formada por jovens.

Em 2012, um dos cantores de Os Agentes, Jasf, passou pela experiência de perder um amigo e parceiro de ação política. “A morte do nosso amigo Tális, guerreiro, é um marco para nosso grupo de jovens. Simboliza a morte de tantos outros que se foram. Com tristeza, mas com muita garra, queremos fazer algo pela nossa juventude. A sociedade e principalmente os governos precisam acordar para esse extermínio”, dispara Jasf.

Jasf faz parte – assim como Tális fazia – do Monitoramento Jovem de Políticas Públicas (MJPOP) da ONG Visão Mundial, que capacita e acompanha adolescentes e jovens no monitoramento das políticas públicas em suas comunidades. Esses jovens tornam-se tanto líderes em suas comunidades quanto uma ponte entre elas e políticos locais.

“A partir da morte de Tális, os próprios jovens do projeto decidiram iniciar um trabalho de monitoramento de políticas voltadas para a redução da violência contra a juventude. O MJPOP se articula como uma rede, conectando a participação política de jovens em 10 estados brasileiros, entre eles Bahia, Rio de Janeiro, Ceará e Pernambuco”, explica o Assessor de Participação da Visão Mundial Brasil, Reinaldo Almeida.

        “Só no ano passado, dez crianças e adolescentes de nossos projetos morreram vitimadas por tiros e tantas outras foram alvejadas conseguindo, felizmente, sobreviver. Nós trabalhamos em Valença há anos para a melhoria da educação, participação política e saúde dessas meninas e meninos e, quando recebemos esse tipo de notícia sobre eles, em quem investimos tanto para uma comunidade com um futuro melhor, temos uma sensação muito grande de impotência. É algo que foge ao nosso controle”, desabafa a coordenadora do projeto da Visão Mundial no local, Maria Vanuzia Oliveira.

SERVIÇO
O quê? Ato público contra o extermínio de jovens
Quando? Sábado (16/03)
Onde? Largo Pedro Archanjo – Pelourinho
Horário? 17h30

CONTATO
Assessora de Comunicação da Visão Mundial Brasil: Gidália Santana (81) 9722 2627
Assessor de Participação Juvenil da Visão Mundial Brasil: Reinaldo Almeida (81) 9722 1881

Exibições: 95

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Otacílio Favero de Souza em 17 março 2013 às 10:06

QUANDO NA DECADA DE 80 , NÓS PREGÁVAMOS A AUTO DEFESA DOS POVOS DA FLORESTA CONTRA A AÇÃO CRIMINOSA DOS LADIFUNDIÁRIOS, FOMOS MUITO CRITICADOS. PORTANTO NÃO É NOVIDADE NEHUMA A AÇAO, DE POLICIAIS CONTRA JOVENS NEGROS , NO BRASIL. TENHO DITO QUE A GENTE PRECISA AGREDIIR TAMBÉM MESMO QUE NAO SEJUA FISICAMENTE ESSAS PESSOAS E ESSE SISTEMA QUE NOS EXCLUI E NOS MATA.

Comentário de Gel Santos em 17 março 2013 às 8:30

É isso que envergonha o Brasil... a matança na periferia!

A corrupção na politica, o descaso com a educação,saúde,

o racismo e tantas outras atrocidades que faz desse País um

retrocesso.  

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço