Grupo de dança piauiense recebe Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-Brasileiras‏

O grupo de dança Quilombo Mimbó, de Amarante, município do Piauí, foi selecionado para receber, nessa última segunda feira (7), o 2° Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-Brasileiras no Teatro Rival, Rio de Janeiro. Ao todo, 20 projetos culturais que refletem a arte matriz africana de Norte a Sul do Brasil foram premiados, são dez trabalhos em artes visuais, cinco de dança e cinco de teatro.



A iniciativa é do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos Neves (Cadon), em parceria com a Fundação Palmares, e com patrocínio da Petrobras. O projeto piauiense e de mais quatro estados irão receber R$ 80 mil, cada. O valor total da premiação é de R$ 1,1 milhão em prêmios para utilização na montagem e execução das produções culturais. O prêmio é uma oportunidade de os grupos artísticos terem acesso a mais recursos para que possam continuar trabalhando.

A iniciativa do projeto é dar mais visibilidade aos artistas afro-brasileiros no país. Segundo a representante do Cadon, Ruth Pinheiro, a maioria deles não é reconhecida pelo trabalho que faz. “ É um prêmio que reconhece a qualidade do trabalho desses artistas, a maioria tem dificuldade de trabalhar com arte e acabam fazendo dela um projeto em segundo plano”, disse.


Criado há dois anos e formado por 20 integrantes e cerca de 100 colaboradores o grupo de dança Quilombo Mimbó é um dos maiores representantes da cultura afrodescendente no Estado. O quilombo piauiense já havia sido premiado anteriormente pela Fundação Palmares.


Realizado na comunidade Mimbó, envolve o canto, a dança e os adornos afro. A comunidade fica localizada a 164 km de Teresina, no meio norte do estado do Piauí. É um dos quilombos mais importantes do Piauí e fica na cidade de Amarante.                 


A comunidade tem uma história bem peculiar que é contada em forma de espetáculo. Uma criação coletiva realizada com a orientação do idealizador do projeto o coreógrafo Valdemar Santos, que nasceu na comunidade de Amarante e mantém uma relação muito próxima com a comunidade sendo descendente, e foi criado juntamente com crianças, adolescentes e adultos da comunidade. 



São realizadas oficinas de dança, percussão, canto, teatro, criação de figurinos, entre outras atividades que possibilitem o contato com a comunidade e integração dos grupos que já existem como: Pagode do Mimbó, Hip Hop, Cavalo Piancó dentre outros.                                     Bailarino e Coreógrafo Valdemar Santos


Os projetos vencedores foram os seguintes:


Dança
Quilombo Mimbó, do Piauí; Aratemiolé, de Santa Catarina; Terreiro Contemporâneo de Dança 2ª edição, de Minas Gerais; Festival de Danças Poéticas Negras, de Goiás; e Catirandê - A Dança Afro do Tocantins, do Tocantins.

Teatro 

Quilombo dos Silva: As Memórias da Negra Resistência Urbana em um Espetáculo Teatral, do Rio Grande do Sul; Abolição, de Minas Gerais; Mães negras - Teatro das Oprimidas, de Goiás; Casemiro Côco em Lendas Emaranhadas, do Maranhão; e O Griot e os Espíritos da Terra - Da Era Cantida aos Dias Atuais, do Pará.

Artes visuais
Ó Que Rua Tão Comprida, do Rio Grande do Sul; Vila das Oyás, de São Paulo; Objeto/Oriki: Corpus e Habitus = arte, de Minas Gerais; Cavalo de Santo, do Rio de Janeiro; Afro Retratos, de São Paulo;Terra Renascida - Novos Olhares para a Invernada dos Negros, do Rio Grande do Sul; A Gira, de Pernambuco; Mestre do Coco Pernambucano, de Pernambuco; Quilombos Emigrantes - História do Cocalinho, do Tocantins; e Processos do Silêncio, da Bahia.


Fonte: Opeq

Exibições: 596

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2022   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço