Entrevista Exclusiva com o Antropólogo Vilson Caetano “A intolerância religiosa é algo muito triste, vergonhoso, deplorável. Acho que o Estado brasileiro reage a certas afirmações preconceituosas de…

Entrevista Exclusiva com o Antropólogo Vilson Caetano

“A intolerância religiosa é algo muito triste, vergonhoso, deplorável. Acho que o Estado brasileiro reage a certas afirmações preconceituosas de forma muito tímida”

Doutor em antropologia, professor da Universidade Federal da Bahia e autor do livro “ Orixás, Santos e Festas” , Vilson Caetano, em entrevista exclusiva ao Portal Omi-DùDú fala sobre as diversas manifestações de intolerância que atingem a religião de matriz africana e seus adeptos. A entrevista discorre sobre os seguintes assuntos: cobertura da mídia, declaração do cônsul do Haiti, “menino das agulhas”, etnocentrismo e racismo institucional.

Por Jaqueline Barreto/ Da redação do Portal Omi-DùDú

Omidùdú: Durante o caso do menino das agulhas"´percebemos uma cobertura midiática carregada de preconceito e estigma. Termos como “ magia negra” e a associação com o candomblé como algo demôníano eram recorentes nas reportagens. Como você avalia a forma que o candomblé é retratado nos grandes meios de comunicação?



Vilson: Eu acredito que o profissional menos preparado é o de Comunicação. Falo Isso porque eu fui professor do curso de Comunicação. O pessoal tem um despreparo muito grande. E dentro desta questão, tem a do preconceito e que, por sua vez, entra na questão da mídia.

Nós sabemos das sessões de espancamento que acontece dentro da igreja Universal do Reino de Deus. As pessoas que são coagidas dentro da salinha. Quando não consegue tirar o diabo do corpo , tem que ir à salinha. Enquanto isso, ficam associando as religiões de matriz africana como magia negra. Eu tenho um trabalho que gosto muito, que é o livro de Orixás, Santos e Festas. O segundo capitulo do livro vem com uma série de práticas mágicas praticadas no Brasil vindas da Libéria e que hoje praticamos aqui. Como , por exemplo, costurar o nome do outro na boca do sapo.... Essa é uma prática que todo mundo conhece e todo mundo sabe.Por isso, aparece proibido no código dos filipinos. Mas que até hoje existe nas religiões de matrizes africanas. Existe uma construção muito negativa das religiões de matrizes africanas. É mais um desafio que temos que vencer!

Omidùdú: O que você tem a dizer sobre a declaração do cônsul do Haiti de que a causa do terremoto teve origem no vodu?

Vilson: eu acho que está havendo muito estardalhaço em relação à essa declaração do cônsul. Esse associação do Haiti com a macumba. Porque, infelizmente, sabemos que uma das partes mais preconceituosas de Brasília ainda está no Itamaraty, entre os diplomados. Então não me impressiona nem um pouco um cônsul ter esse tipo de declaração. É triste e deplorável, mas pelo histórico do cônsul, é de se esperar.

Preconceituoso e etnocêntrico e com uma formação burguesa muito grande. O fato de ser diplomata não significa dizer que ele seja uma pessoa mais aberta às outras culturas. Isso deveria ser uma prerrogativa. Mas, infelizmente, nós ainda vivemos em um país que se autodenomina laico, mas que todos os feriados que nós temos são feriados católicos, apostólicos romanos.



É claro que toda essa mobilização do movimento negro é muito positiva no sentido de está desmascarando e realmente mostrando que, de fato, o que ainda temos é uma intolerância muito grande e um racismo institucional que vira e mexe e está sempre presente nessas falas que exigem posturas mais fortes das pessoas e um melhor preparo. Então, para mim, isso não é surpresa nenhuma. Eu acho que isso não é apenas o pensamento de um cônsul e sim de grande parte das pessoas. E é o que homens e mulheres negros querem desconstruir.

É interessante, porque raciocínio semelhante não se faz em relação aos mulçumanos que estão em Jerusalém, aos judeus que estão na diáspora ou a outros grupos que construíram a sua identidade a partir de princípios religiosos. Infelizmente, mas uma vez, isso acontece com descendentes de africanos e está associado à acontecimentos relacionados a nosso fé e isso tem que mudar!

Foi bom que ele falou porque agora nós temos um inimigo declarado. Eu acho que ter um inimigo declarado em um país em que o racismo é cordial é muito bom. Agora, nós sabemos com quem devemos brigar. Com esse cônsul. Então nós temos que tirar esse cônsul porque ele não nos representa !

Mas quantas pessoas existem no Itamaraty com esse pensamento e não se manifestam?! Daí a importância do estardalhaço, da mobilização do movimento social, para que outras pessoas se manifestem. Ele, para mim, já está identificado. Ele não gosta de negro, é racista, eurocêntrico e outros adjetivos ou defeitos que historicamente nós sabemos que esses homens brancos que estão no poder carregam, mas que continuam lá. De maneira geral, é isso que penso.

Conferir entrevista na íntegra em : www.nucleoomidudu.org.br




Exibições: 123

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço