Instituto Mídia Étnica – Seis anos DeNegrindo a Mídia

 

“Odeia a mídia? Torne-se a mídia!”. Este era um dos cartazes que levantamos na I Semana pela Democratização da Comunicação da Bahia. A frase, criada pelo Centro de Mídia Independente (CMI), era mais um dos motivos que nos inspirava a criar, naquele 21 de outubro de 2005, o Instituto Mídia Étnica.

Éramos, naquela oportunidade, estudantes de comunicação de diversas faculdades de Salvador e tínhamos em comum o fato de questionarmos em nossas respectivas instituições o incipiente debate sobre racismo na comunicação.

Alguns teóricos nos davam a base que precisávamos para seguir na luta, como Muniz Sodré, Fernando Conceição, Carlos Moore e Joel Zito Araújo. Outras instituições parcerias - como o Instituto Steve Biko, Dombali e o CEAFRO - nos mostravam o complexo caminho de se fazer movimento negro dentro do chamado terceiro setor. Nossa pauta era extensa, queríamos discutir de estereótipos à propriedade dos meios de comunicação, sempre com os dois olhos voltados para a internet.

Depois de muito debate, escolhemos o nosso slogan “Vamos DeNegrir a mídia”, ou seja, tornar a mídia mais negra. No dia do lançamento,  tivemos a honra da participação de importantes nomes da luta pela democratização da comunicação e do movimento negro, como a socióloga Luiza Bairros (atual ministra da Seppir), Gilmar Santiago (então secretário da Reparação), os deputados Luiz Alberto e Walter Pinheiro (hoje senador), e os já citados Carlos Moore e Joel Zito Araújo, que estava lançando seu aclamado filme Filhas do Vento

Abrimos o evento ouvindo o ator e diretor Ângelo Flávio ler o poema “Padê de Exu Libertador”, do saudoso Abdias Nascimento, que nos ensinou que na cosmovisão iorubana é o Orixá da comunicação quem abre os caminhos. As paredes do auditório do Solar do Unhão estavam repletas de citações sobre a importância da comunicação para o desenvolvimento da comunidade negra. Frases de Milton Gonçalves, Antônio Pitanga, Zezé Mota e outros atores e atrizes militantes.

 

Não parece, mas a comunicação em 2005 era bem diferente do que temos agora. A chamada “grande mídia” ainda reinava arrogantemente e os dissidentes eram chamados pejorativamente de “piratas”. Blog ainda era uma palavra nova, e colocar um site “no ar” exigia um investimento considerável se comparado a hoje.

Na Califórnia, bem longe do Pelourinho onde estávamos, três jovens davam os primeiros passos para criar uma ferramenta que mudou a maneira com que nos relacionamos com o vídeo, o YouTube. A Internet a cabo havia acabado de chegar e o Orkut ainda era uma coisa de nerd – para acessar a rede era necessário ter convite.

Foi nesse contexto que começamos a usar as novas tecnologias de comunicação. Criamos nosso primeiro blog (http://midiaetnica.zip.net), comunidade no Orkut e fizemos a nossa primeira cobertura jornalística, o Dia da Consciência Negra de 2005. Cyber-Aruá foi o nome escolhido. A ideia era fazer um trocadilho com o termo “Cyber-Café” e usar uma referência afro-brasileira. Rudimentarmente usamos celular para enviar notícias das caminhadas para a equipe que ficava na Praça Municipal e atualizava o blog. Dois anos mais tarde, fomos a primeira organização negra do Brasil a escrever em 140 caracteres no Twitter.

Curiosos, queríamos saber “com quantos gigabytes se faz uma jangada, um barco que veleja” e descobrimos que “antes o mundo era pequeno porque a Terra era grande. Hoje o mundo é muito grande porque a Terra é pequena, do tamanho da antena parabolicamará”, como anteviu, em Pela Internet e Parabolicamará, o mestre Gilberto Gil, nosso ministro hacker, com o qual tivemos o orgulho de gravar o documentário Connecting South. Ê, volta do mundo, camará. Ê, mundo dá volta, camará!!!

Muitos estranhavam nossa forma de fazer política e o nosso jargão “direito humano à comunicação”. Outros acreditavam em nossa proposta e nos apoiavam de maneira incondicional. Já na esfera das organizações sociais de comunicação, o ceticismo sobre a questão racial era a regra.

De lá para cá muita coisa mudou, outras continuam iguais. A comunicação de massa (Rádio, TV e jornal) ainda é concentrada nas mãos de poucas famílias e não se tem notícia de grandes veículos de comunicação controlados por afrodescendentes. O mesmo racismo, no jornalismo ou na publicidade, continua a operar de forma sistêmica e institucional. Porém, um novo horizonte ao poucos vai se abrindo para todos os grupos sociais invisibilizados: o aumento das tecnologias digitais e o barateamento dos equipamentos eletrônicos. 

Atualmente, um grupo de rap da periferia de uma cidade nordestina pode postar um vídeo no YouTube e ter mais acesso que uma edição da Folha de São Paulo. A qualidade de uma câmera que custava, em 2005, 15 mil reais, hoje pode ser acessada com um celular de R$500. É claro que isso não significa que a “grande mídia” está perdendo sua influência, mas certamente ela não é mais o único emissor de informações.

Apostamos na criação do Correio NaGô, uma rede social que tinha, em novembro de 2008, cerca de 28 pessoas cadastradas. Agora, essa rede possui mais de 5 mil membros cadastrados, e milhares de visitantes por mês, oriundos de mais de 50 países do mundo. O objetivo do site é disseminar a ideia do jornalismo cidadão e participativo dentro da comunidade afro-brasileira.

Cada membro do Correio Nagô é um nó dessa grande teia anti-racista. Cada post que vai ao ar é um golpe no mito da democracia racial e na crença da supremacia branca. Junto a outros sites e blogs do movimento negro estamos em constante vigilância para garantia de nossos direitos, afinal somos construtores dessa nação.  

Entretanto, os desafios para o futuro são grandes. Como nos anteciparmos nas inovações tecnológicas e empreendermos projetos de impacto? Como manter e valorizar a ancestralidade africana utilizando a mídia? Como fazer com que a imprensa tradicional também seja uma promotora da igualdade racial? Como criarmos nossos veículos (rádios, TVs, jornais etc.) para mostrar nosso ponto de vista para toda a sociedade? Como garantir que os  jovens afro-brasileiros produzam conteúdo? E tudo isso “do nosso jeito, sendo sujeitos”, como nos ensinou Makota Valdina Pinto.

Alguns caminhos já estão sendo apontados de maneira natural. Foi assim com as oficinas que realizamos, com o UNFPA, na comunidade de Sussuarana, em Salvador, que resultaram na criação do grupo Mídia Periférica - jovens com menos de 20 anos que lançam nessa semana um programa de TV web com o discurso afrocentrado e um olhar de periferia.

Da mesma forma, vimos alguns veículos tradicionais, com quem temos dialogado nesses seis anos, mudarem significativamente sua abordagem sobre a questão racial, entendendo que a diversidade é uma questão importante e necessária.

Desde o início da nossa organização acreditamos que a luta do negro no mundo não é isolada, ela é interconectada e interdependente,  como disse o escritor Cheikh Anta Diop. Ela é a mesma em todo o planeta.

A vocação internacionalista e panafricana do Instituto Mídia Étnica nos fez cruzar fronteiras e sair da nossa “roma negra” para desbravar o mundo. Viajamos e noticiamos histórias do povo negro de lá da Nigéria, Costa Rica, Estados Unidos, Honduras, Gana, África do Sul, Inglaterra, Moçambique etc. Se no mundo pré-internet nossos ancestrais estavam interconectados por que não digitalizar esses laços que nos unem?

Sabemos que a batalha para afirmação de nossos valores estéticos e civilizatórios não vai acabar tão cedo. A desconstrução dos modelos eurocentrados da mídia vai além dos nossos limites, mas temos a honra de fazer parte dessa geração que vem, a cada dia, tentando assumir a tarefa passada por aqueles que deram  sangue e suor para que estivéssemos vivos.

Que nessa Semana da Democratização da Comunicação possamos pensar juntos como alcançar nossos objetivos e, citando a socióloga Vilma Reis, “fazer comunicação fora do controle da Casa-Grande”.

Saquemos, portanto, nossos gravadores e tablets, armemo-nos com nossos tripés e lentes, preparemos nossas câmeras e celulares, pois a batalha pela informação está apenas começando.

 

 

Paulo Rogério Nunes é co-fundador do Instituto Mídia Étnica

 

Exibições: 595

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Inaiá Boa Morte Santos em 23 outubro 2011 às 11:35

PARABÉNS QUE ESTA CHAMA DE COMUNICAÇÃO JAMAIS SE APAGUE

MUITO AXÉ

 

Comentário de Mario Nelson Catvalho em 22 outubro 2011 às 18:25

Salve Salve Grandes Manos do "IME". Parebens pelo aniversario, entretanto voces sao merecedores de Parabens diariamente. A forma, o conteudo a firmeza e a inteligencia com que os assuntos sao tratados e levados ao conhecimento de tantos quantos acessem as diversas midias utilizadas nos enchem de satisfação e orgulho.

Voces teem dado um contributo inestimavel à Comunidade Negra e à  Nação Brasileira quando competentemente tratam do tema que nao é somente do interesse da Comunidade Negra mas sobretudo da sociedade brasileira em greal.

Quanto aos desafios do futuro já é possivel afirmar que eles serao competentemente ultrapassados e num  futuro muito breve o "IME" estará ocupando um lugar de destaque na midia Baiana e Brasileira. Isso é irreversivel e quem "Viver Verá"!!!!!!!!!

Um Forte Abraço Negro e Amigo pra todos e todas.

Sucesso!!!!!!!!

Comentário de Vanice da Mata em 21 outubro 2011 às 21:33

IME,

Parabéns pelo aniversário!

Seis anos são quase o fechamento do primeiro ciclo de vida, que para os cheios dela se alcança no número 7. Esta criança nasceu forte pois, desde cedo, sabia o que queria ser (só não ainda muito como...).

Eu gosto muito do trabalho de vocês e, para além do gosto pessoal e profissional, é importante a existência de correios que sirvam de intercâmbio de mensagens que nos digam respeito, que nos permitam sermos ao  compartilhar conteúdos-sentido para nossas histórias individuais, temporalmente unas.

Força, luz, tranquilidade, fé, amizade e um clima de respeito a tudo e a todos (incluindo, aí, aos algozes...)! É o que desejo a vocês.

Vida longa, saudável e próspera.

Comentário de jaqueline sousa barreto em 21 outubro 2011 às 21:26
Parabéns ao Instituto Mídia Étnica que, apesar de todas as dificuldades, vem construindo uma outra comunicação, uma comunicação que representa a comunidade negra e apresenta-se como importante ferramenta na luta por uma mídia que respeite a diversidade cultural e, acima de tudo, que tenha como postulado básico o direito à cidadania. Parabéns a todos vocês que integram o grupo!
Comentário de Ilka Danusa em 21 outubro 2011 às 11:48

O texto acima é um documentário vivo deste ousado projeto. O Instituto Mídia Étnica saiu das salas da Universidade Católica para o mundo, provando a sociedade que uma outra comunicação é possível.

Hoje ao fazer uma avaliação destes 6 anos posso perceber o quanto o IME empoderou, ousou, inseriu, reparou, DENEGRIU!

Parabéns a Paulo Rogério Nunes, Luciane Reis, André Santana, Luciane Neves, Juliana Dias, Rosalvo Neto, Geilson Souza e Ivana Dorali. Parabéns ao Mídia Periféria - fruto das oficinas de comunicação comunitária do IME - que amanhã começa a escrever uma nova história para TV Web. Parabéns aos parceiros que fazem parte desta instituição por acreditar nela.

vamoQvamo, IME!

Comentário de enderson araujo em 21 outubro 2011 às 11:42

Muito Prazer em fazer parte desta Historia.. Vinda Longa A Quem Nao Ficou Parado.. 

 

E amanha tem parabens para o IME no Lancamento da Tv Mídia Periférica..

Comentário de JORGE EUMAWILYÊ SANTOS em 21 outubro 2011 às 10:58

Comunicado de Saudação

Aos Seis Anos de existência do Projeto Comunicacional “Correio Nagô”

 

 

 

 

Olá Companheiros e Companheiras,

Tudo em paz?

Paz sempre!

 

Quando da primeira edição do Projeto "A Cor da Cultura/Canal Futura/Rede Globo/Fundação Roberto Marinho", em um dos muitos momentos de lazer pós o trabalho de aplicação do mesmo para professores e educadores populares, no RJ, conversávamos com a amiga e companheira das lutas anti-racista Fernanda Felisberto, e dialogamos longamente sobre, exatamente, a criação e ou a promoção de algo que visasse o despertar e ou a expansão para o aparecimento de um conjunto de projetos que utilizasse a web para divulgar as nossas lutas, como também os seus resultados.

 

Tempos depois aparece, na Bahia, o projeto comunicacional "Correio Nagô", denominação a qual havíamos discutido e nos prometido voltar a dialogar. Novos tempos se passaram e só a encontrei (a referida amiga) na CIAD - Conferencia de Intelectuais da África e da Diáspora, versão SSA/BA/BR, Centro de Convenções da Bahia, cuja 'bagunça' que se estabeleceu naquele ambiente, nos impossibilitou voltar a dialogar. 

 

Hoje, para a minha surpresa e ao mesmo tempo felicidade, ao abrir o micro e acessar as noticias encontro essa pérola: a informação da data de Aniversário de 06 (seis) Anos da Instalação deste importantíssimo veículo de comunicação, como parte do aparecimento dos quais, sonhamos um dia.

 

Parabéns e Vida Longa ao projeto comunicacional "CORREIO NAGÔ, pois mesmo tendo acontecido o aparecimento de muitos e muitos outros, vocês tem o "PIONEIRISMO" da denominação, dos tempos em que realizávamos (movimento negro) grandes mobilizações na base dos então famosos 'mosquitinhos' rodados no estêncil a álcool e ou a óleo.

 

Nós, do PENACEN-IDB – Pérola Negra Afro Centro/Instituto Denegrir Brasil, nos encontramos bastantes orgulhosos com a iniciativa, a responsabilidade e a pujança, com as quais vocês desenvolvem este "internacionalista", 'panafricanista e africanobrasileiro’ projeto, porquanto conteudista e transformador como o mesmo se apresenta.

 

Adubalê, Irmão e Irmãs. A nossa Vitória, se continuarmos nesse caminhar, não tardará, jamais.   



 

 

Comentário de Fabiana Braz em 21 outubro 2011 às 8:45
Longa vida ao IME!!!!
Comentário de Instituto Mídia Étnica em 21 outubro 2011 às 8:35

Hojem sexta-feira, 21, aniversário de 06 anos do Instituto Mídia Étnica, acontece aqui um chat, às 19h, sobre os desafios para a Democratização da Comunicação com ativistas de várias organizações. Participe!

Conheça também o site do Mídia Étnica - www.midiaetnica.org 

Comentário de Instituto Mídia Étnica em 21 outubro 2011 às 8:26

Confira  a matéria de lançamento do IME em 2005.

 

 

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço