Instituto Yoruba na Cúpula dos Povos: Máscaras Gelede

A criação e perpetuação do conhecimento e da ordem na comunidade é o coração do envolvimento humano na produção artística na África. A sociedade de Gelede visa trazer um equilibro na sociedade e manter uma relação cordial entre gêneros exigindo respeito pela feminidade em uma cultura patriarcal, como a dos Yorubás, onde as instituições são dominadas pelos homens. As cerimônias de Gelede são principalmente celebradas na África Ocidental nos países como a Nigéria, Republica de Benin e Togo.

Gelede é uma celebração para reconhecer o poder e as capacidades espirituais de mulheres na sociedade. As performances são dadas por homens, usando máscaras que caracterizam imagens esculpidas sobre ele. Estas cenas podem ser de animais e pessoas,tambores entre outros.

A máscara é um de um par usados em conjunto por homens disfarçados de mulheres para se divertir, agradar e aplacar as mães que são consideradas muito poderosas, e que podem usar seus poderes para fins de bem ou destrutivos. Esses poderes são especialmente ligados ao parto ou fertilidade. Demonstrados no espetáculo de Gelede por máscaras coloridas, que combina arte e dança ritualística a fim de divertir, educar e inspirar a adorar; tudo ao mesmo tempo.

Gelede é um culto matricentrista de construção de poder comunais indígenas, o que alguns pensadores africanos descrevem como um sistema de "feminismo tradicional Africano"

Importante salientar que a sociedade de Gelede foi proclamada Pela UNESCO, no ano de 2001 como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Isso visa salvaguardar a tradição Gelede nas comunidades nos países como Benin, Nigéria e Togo onde a pratica é mais notória.

O cultivo sociocultural e espiritual do Gelede é baseado em um poder comunitariamente construída do tipo matriarcal. Embora seja usada para a veneração de alguns Orixás femininos significativos, a justificativa original para o cultivo de Gelede é o reconhecimento de retificação, e preservação da primazia indiscutível da essência materna na cosmologia Yorubá.

A sua função mais popular é para aplacar Iya Nla (Grande Mãe), e seus discípulos terrestres,as mães poderosas. Muitas vezes identificada como a primeira mulher no universo Yorubá e a esposa do “artista divino”, Obatalá (Baba Oxalá, o Grande Pai), mas até os dias atuais Iya Nla continua a ser um enigma.É identificada como a Mãe Natureza, chamada de Iyami, Iya (a Mãe de todas as Mães e Mãe), representando o princípio materno no cosmos Yorubá, combinando em sua natureza os atributos de todas as principais divindades do sexo feminino.

Gelede é um culto paradigmático, que funde o conceito Yorubá da funcionalidade de religião e arte. O ato ritual de Gelede é um agente para dissolver a tensão social, por meio, da sátira e críticas sociais. Gelede "refere-se a algo que refresca e relaxa" (Lawal, 74-75).

Durante o festival de Gelede, o portador da máscara, sempre homem, e intérprete de sua arte, torna-se simbolicamente submisso a feminilidade. Através da tradição de Gelede, os homens "tornam-se humildes pela dança com máscaras dedicadas ao princípio maternal".

Esta arte serve ao mesmo tempo como "um reconhecimento público da contribuição do sexo feminino para a comunidade: como mães, elas personificam o poder procriador do Axé, do qual depende a sobrevivência da sociedade organizada, bem como a raça humana" (Lawal,79).

Você pode conferir essa arte  na Cúpula dos Povos na Rio + 20, no Rio Centro na ala Comité dos Povos. É aberto ao público, a partir do dia 14/06 q é fechada. Serão expostas 08 (oito) Máscaras. Essa exposição é possível, por meio de uma parceria entre o Instituto Yorubà e o Ministério da Cultura.

Exibições: 1301

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço