Nós do Movimento de cinema negro Tela Preta, acreditamos no cinema como uma arma na descolonização da mente. Ao longo dos anos a sétima arte foi usada para difundir o eurocentrismo em todos os continentes, transformando todos aqueles não-brancos em assunto de seus diários de viagem no processo de colonização. Além de deter os equipamentos, meio de produção da imagem, expuseram nossos homens e mulheres como seres animalescos em suas telas, criando estereótipos e perpetuando o racismo.

Mas desde a travessia do Atlântico resistimos por todos os meios necessários, no campo cinematográfico não foi diferente, também tivemos que fazer a travessia das câmeras, saindo do lugar de atores/assunto para ocupar o lugar de diretores/autores da imagem. Desta forma, tomamos as câmeras para mostrarmos a nossa visão de mundo sendo a voz de nós mesmos. Muitos autores acreditam que o cinema negro é um cinema produzido por negros, outros já afirmam que é um cinema onde a temática negra já é suficiente para ser denominado como tal. Nós entendemos que existam cinemas negros, até por que a experiência da diáspora é múltipla e o negro da diáspora se organizou de inúmeras formas. Como por exemplo, a blackspoitation , dos anos 70 nos EUA, L.A. Rebellion Film movement, também conhecido como Escola de Los Ageles de Cineastas Negros nos anos 80, o início do Cinema Negro mais forte no Brasil nos anos 70 encabeçado por Zózimo Bulbul , Waldyr Onofre, Antonio Pitanga, Odilon Lopes , o Dogma Feijoada no Brasil nos anos 2000, o surgimento de um cinema Africano, mais forte nos anos 60 através dos filmes de Ousmane Sembene ( o Pai do cinema Africano ), O cinema Lantino Americano e do Caribe realizado por diretores Negros como o cubano Rigoberto Lopez, a Haitiana Martine Chartrand e os outros tantos diretores/as negros/as de um único filme e os tantos outros/as que nem terminaram seus filmes. 

O movimento Tela Preta, propõe a realização de um cinema fundado no “tripé”; produção, autoria e cosmovisão negra. Desta forma, assumimos os seguintes compromissos com nossa população negra diaspórica. 

Cumprir as demandas da população negra no que se refere ao audiovisual
Combater veementemente o racismo nas produções de audiovisual.
Construir a autorepresentação negra.
Promover e ampliação da discussão sobre cinema negro 
Discutir, elaborar e/ou estruturar uma "estética" negra no cinema 
Promover o intercambio dos diversos produtores e as diversas produções do cinema negro em Africa e na diáspora .
Levar as produções do cineastas negros às salas de cinema e às salas de aula de todo e Brasil e do mundo, como outros espaços de distribuição.
Retratar os heróis negros e resgatar suas histórias
Fortalecer as produções negras. 
Gerar espaços formativos de cineastas, produtores e realizadores negros.
Participar dos espaços de promoção , criação e discussões de politicas cinematográfica, para pautar as nossas demandas.

Por todos os meios necessários.

http://www.youtube.com/watch?v=4RU80SHMTYI

Exibições: 182

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço