Militantes do Movimento Negro criam “Frente Búzios” para protestos

Redação Correio Nagô – Representantes do Movimento Negro participaram das manifestações ocorridas em Salvador e formaram um grupo batizado de “Frente Búzios”. Neste domingo, eles vão integrar o protesto organizado pelo Movimento Passe Livre Salvador. O trajeto será do bairro do Campo Grande até à Arena Fonte Nova, onde às 13h ocorre a disputa entre Uruguai e Itália pela Copa das Confederações.

“A partir do momento que percebemos a necessidade acompanhar e participar do ato, tendo em vista que mobilidade é um tema de muita importância para comunidade negra. Ter direito à cidade é uma de nossas demandas. E por isso resolvemos juntar as forças que dialoga e militante no campo racial para pensamos qual seria nossa postura nesse cenário que tá posto”, conta o representante do Centro de Arte e Meio Ambiente e militante do Movimento Negro, Ismael Silva.

O militante destaca ainda a necessidade de ter a representatividade do Movimento Negro nas manifestações. “Esperar que os manifestantes “classe média” como estão dizendo assumam e pautem as questões raciais é no mínimo ingenuidade. Ele não fariam isso, como nunca fizera na História do Brasil. Ou nos fazemos presente para garantir nossas demandas que extrapola essa pauta ou ficaremos a reboque”, complementa.

Silva ressalta ainda que a militância teve “ganhos” por ter conseguido entrar na produção da carta sobre mobilidade que foi apresentada ao prefeito da cidade. “Todos os 21 pontos repercutem diretamente em nossas vidas e sobretudo na vida do povo preto que vive nas periferias e que tem dificuldades de circular na cidade por conta de uma má distribuição, por conta da exclusão social construída secularmente no Brasil”, diz.

“Nós negros que moramos na periferia temos limites gritantes ainda no que tange ao direito de ir e vir”. Sobre a participação de negros e negras, Silva conta que observou protestos ainda com relação ao “genocídio da população negra, a não redução da maioridade penal, o estatuto nascituro e violência da polícia”.

Já sobre a ação da Polícia Militar, Silva considera que os PMs foram “racistas, violentos e truculentos”. “A PM como sempre é um órgão opressor e quando se trata de proteger o patrimônio privado , ele usam de qualquer método. A polícia se manteve racista, violenta e truculenta como sempre foi com nós negros”.

Em nota, a a assessoria da Secretaria da Segurança Pública (SSP) tem informado que a Polícia Militar vai continuar a utilizar os armamentos não-letais necessários para coibir atos de violência durante manifestações populares. De acordo com a SSP, “tais armas somente são usadas com o objetivo de garantir a ordem pública, depois de esgotadas todas as tentativas de negociação, e apenas em situações de extrema necessidade”. 

O Ministério Público Federal da Bahia (MPF-BA) recomendou à Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP-BA) que suspenda o uso de spray de pimenta, gás lacrimogêneo e balas de borracha, pela Polícia Militar durantes as manifestações populares em Salvador. Os protestos ocorrem na capital baiana desde o dia 20 de junho.

Exibições: 781

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Inaiá Boa Morte Santos em 9 julho 2013 às 19:33

Vamos ficar vigilante aos nossos movimentos.

Comentário de Rosivalda Barreto em 30 junho 2013 às 10:37

Cuidado que a polícia militar de Salvador tem gente infiltrada no movimento para coibir com maior eficácia.

Comentário de Gel Santos em 30 junho 2013 às 7:23

Somos filhos dos quilombos periféricos, revolta dos malês, revolta dos búzios e tantos outros movimentos espelhado por esse País, onde dignidade e direitos são palavras de ordem!

Brasil, um País construindo com suor e o sangue do Povo!

Elites ricas, o povo pobre e oprimido.  

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço