Mulheres negras e indígenas querem mais participação política, apontam ativistas em painel sobre empoderamento econômico

Brasília (Brasil) - No evento paralelo “Empoderamento econômico das mulheres indígenas e afrodescendentes da América Latina e Caribe”, promovido hoje à tarde (14/7) pelo UNIFEM (Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher, parte da ONU Mulheres), INSTRAW (Instituto Internacional de Pesquisas e Capacitação para a Promoção da Mulher, parte da ONU Mulheres) e CIM (Comissão Internacional da Mulher) na 11ª Conferência Regional da Mulher da América Latina e Caribe, mulheres negras e indígenas afirmaram que não basta apenas o empoderamento econômico para que tenham mais igualdade.

O painel teve participação da ministra de Assuntos Ameríndios da Guiana, Pauline Sukhai; Tania Rodriguez, da Rede de Mulheres Afro-latinoamericanas, Afro-caribenhas e da Diáspora; Tania Tarqui, do Fórum Internacional das Mulheres Indígenas; e da jornalista argentina Ernestina País.

Tania Rodriguez, da Rede de Mulheres Afro-latinoamericanas, Afro-caribenhas e da Diáspora, lembrou que os marcos internacionais contemplam o rol de direitos reivindicados por homens e mulheres negras para o enfrentamento ao racismo, assimo como convenções e tratados internacionais relacionados aos direitos
humanos das mulheres também atendem as demandas das mulheres negras.

Segundo a jovem negra, o passo seguinte é a efetivação das políticas públicas de combate ao racismo e sexismo. Ela citou a importância dos dados desagregados por gênero e raça e da rodada dos censos nas Américas, para que haja mais fontes de dados confiáveis sobre a situação dos afrodescendentes. “Temos de criar espaços onde estejamos integradas, espaços de consulta e monitoramento. Os censos são fundamentais para registro e análise da realidade dos afrodescendentes em termos de habitação, acesso à saúde, conformação familiar, entre outros níveis de informação que serão base para as políticas públicas”,
disse Tania Rodriguez.

ONU Mulheres


Para Tania Tarqui, do Fórum Internacional das Mulheres Indígenas, é urgente a discussão de um novo modelo
de desenvolvimento, baseado no respeito à identidade dos povos e que tenha como objetivo o término de
brechas de desigualdade. “Empoderamento pra nós, mulheres indígenas, está ligado aos direitos da igualdade de gênero, à participação política,ao bem-estar social”, destacou a jovem indígena.

Na sua exposição, Tania Tarqui falou sobre a expectativa das mulheres indígenas com relação à ONU Mulheres. “Queremos contribuir com a ONU
Mulheres através de políticas de inclusão, contar com um
departamento específico, mecanismos adequados de participação e
recrutamento de colaboradoras”, completou.


Fonte: UNIFEM http://www.unifem.org.br/003/00301009.asp?ttCD_CHAVE=120569

Exibições: 169

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço