No mês das Mães, 10 mulheres são eleitas Rainhas Negras no Piauí

No ano de 2012, o 13 de Maio ocorreu em uma data especial, que coincidia simbolicamente com o dia das Mães. A Festa em Homenagem à Preta Velha Mãe Joana, em Teresina, logo, ganhou singularidade.  Dez mulheres negras de destaque no estado foram homenageadas com o prêmio Rainha Negra 2012. São elas:

 

Na sequência: Assunção Aguiar, Vilma Alves, Sônia Terra, Rosalina Santos, Rosário Bezerra, Halda Regina.

  • Luiza Sabino: Filha de Santo há 19 anos e Colaboradora da Casa Ilê Oyá Tade, na zona norte de Teresina.
  • Assunção Aguiar: Atual Coordenadora do Afro-Cultural Coisa de Nego. Para ela, o 13 de Maio é um dia de reflexão, não de libertação.
  • Fátima Zumbi: Atua no Grupo Afrocondart, juntamente com vários jovens negros que compõem o grupo. Está presente em diversas lutas sociais.
  • Delegada Vilma Alves: Delegada titular da Delegacia da Mulher, dedicou o prêmio a seus filhos e netos.
  • Sônia Terra: Primeira mulher negra a assumir uma Secretaria, a de Cultura, no estado do Piauí, militou por muito tempo nas pastorais sociais, contribuiu com a fundação do PT no Piauí, milita no movimento negro, é compositora, canta às vezes, e atualmente é Gestora de Política para Mulheres.
  • Gardene Carvalho: Coordenadora do grupo de cultura afro, Ijexá. Trabalha com diversas atividades na zona sul de Teresina, especialmente na Vila São Francisco Sul. Teve seu trabalho musical pautado nas músicas de terreiro, sempre abordando o negro e o índio, ou seja, os preto velhos e os caboclos. Quis deixar registrado que a questão afro brasileira é uma questão de cidadania e também de batucada.
  • Rosalina Santos: Coordenação estadual das comunidades negras quilombolas, é vereadora do município de Queimada Nova, no Piauí. Sempre defendeu a causa da terra, em especial a titulação, certificação e reconhecimento das terras quilombolas, hoje é reconhecida nacionalmente pelo trabalho desenvolvido nesta área.
  • Rosário Bezerra: Vereadora da cidade de Teresina, é ativista do movimento negro.
  • Haldaci Regina: Fundou o Instituto da Mulher Negra - Ayabás com outras 5 mulheres no ano de 2011. Iniciou sua pesquisa sobre o ' Papel das mulheres negras nos terreiros de umbanda de Teresina ', no Mestrado de Educação na UESPI. Compõe o Comitê de Segurança e Direitos Humanos. É na Casa de Pai Adilton que vai desenvolver sua pesquisa. Para ela, falar de mulher negra é falar de respeito à cultura, que está na religião, conseguindo levantar essa bandeira e resistir.
  • Mãe Benedita Ricarda: Possui Casa de Terreiro na cidade vizinha Timon, mulher inteligente e que fala o que pensa. Ela diz que antes se ovacionava a Princesa Isabel, mas hoje deram um novo tom à história, homenageando os pretos e as pretas velhas.

Texto: Carmen Kemoly, correspondente do Correio Nagô no Piauí

Fotos: Divulgação

Exibições: 390

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço