O Apartheid visível e introjetado - Por Juci Santana

O Apartheid visível e introjetado.

 Apartheid significa "vidas separadas" (em africano), nome do regime de discriminação racial mais perverso que se tem relato na história da humanidade. O sistema segregacionista que negava aos negros da África do Sul os direitos sociais, econômicos e políticos teve inicio em 1948 e perdurou até o ano de 1990.

As principais leis do apartheid foram :Proibição de casamentos entre brancos e negros;Proibição de circulação de negros em determinadas áreas das cidades;Determinação e criação dos bantustões(bairros)só para negros;Criação de um sistema diferenciado de educação para as crianças dos bantustões.Os negros sempre foram a maioria da população Sul-Africana(70%),os europeus (12%), eurafricanos (13%), indianos (3%), outros 2%.

Em dezembro, participei do 17th World Festival of Youth & Students, sob o tema "Por um Mundo de Paz, Solidariedade e Transformação Social”. A cidade sede foi Pretória, antigo símbolo do domínio afrikaner(descendentes dos colonizadores holandeses que foram para a África, os mentores do apartheid). O festival me possibilitou estar no continente mãe, pisar na terra dos meus antepassados, estar no continente africano, berço da diáspora negra no mundo.

 O regime do apartheid bem como a escravidão são assuntos tabu na sociedade brasileira, temas pouco explorados pelos monopólios privados de comunicação, porém dificilmente encontraremos alguém que não saiba o que foi o holocausto e a dimensão da façanha de Hitler contra o povo judeu.Creio não ser por acaso que a grande maioria da população brasileira não saiba da sua real história.  
 
 Durante o festival organizamos uma excursão para Joanesburgo, no total éramos 13 jovens do país do futebol. Logo na saída duas garotas questionaram o roteiro, elas já tinham feito o roteiro que faríamos em outra excursão, a solução encontrada foi sugerir que as elas ficassem no centro da cidade visitando outros lugares, então foi mantido o roteiro original, no final do passeio elas seriam recorridas no mesmo local.
  As jovens, uma mestiça e outra teoricamente branca segundo os padrões brasileiros, vale apena ressaltar ambas falavam fluentemente o inglês.

Minhas conterrâneas começaram a questionar sobre a segurança delas enquanto “brancas” no centro daquela cidade,detalhe eram exatamente 12 horas,o sol brilhava.Fiquei me perguntando se elas conheciam o centro de Salvador,cidade de maior população negra fora da África, assim era o centro de Johanesburgo ,uma grande Salvador, com negros para lá e para cá nas calçadas, camelôs ocupando tudo , pedintes no chão, vendedores de milho e amendoim , mulheres na rua trançando o cabelo, carrinhos de sorvete para amenizar o forte calor.
 Qual era mesmo a real representação daquele temor? Estávamos num Safári? Ao sair do carro elas seriam atacadas por aquele povo que caminhava tranqüilamente cuidando cada qual da sua rotina? Johanesburgo não perde em nada para capitais como Londres,Paris, Madri, Lisboa, Buenos Ayres, São Paulo, etc. Tão urbanizada quanto todas as cidades citadas supra, fiquei impressionada com a quantidade de carros importados, o tapete que eram as estradas,e a estrutura das universidades.
Aquela atitude racista, fruto de valores arraigados como, -Meu filho não pode namorar uma negra. - O negro não tem capacidade intelectual.  - Todo preto é pobre, ladrão e favelado. O que representava então aquele mar negro que caminhava pelas ruas? Qual era a real ameaça?
Aquela reação era reflexo de um racismo introjetado, a imagem do negro no Brasil e no Mundo sempre fora associada à violência, no entanto a negritude é símbolo de resistência , quem sofreu com um regime de separação? Quais foram as vitimas do massacre de Soweto, onde foram mortos 600? Quem foram os responsáveis por essa e tantas outras atrocidades que aconteceram naquele país durante o regime do apartheid? Porém, aquelas turistas sentiram medo do mar negro nas ruas de Johanesburgo, capital do país que elegeu Mandela, que acabou de sediar uma copa do mundo e caminha a passos largos para democracia racial e desenvolvimento.
O 13 de maio esta chegando,continuamos num país, que apesar da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, onde se estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", a medida ainda não foi implementada, como educaremos nossas crianças para que possam tomar ciência  dos fatos históricos que  influenciam o Brasil de hoje? É preciso dizer que a Lei Áurea foi o ponta pé inicial no processo de marginalização das negras e dos negros desse país, que o processo de ocupação das encostas, origem das atuais favelas nas grandes cidades, é conseqüência de uma abolição onde o estado não foi responsabilizado, é preciso colocar em negrito que nessa mesma época os negros escravizados das fazendas foram substituídos por imigrantes assalariados, os recém-libertos saem da condição de escravos para uma grande massa de desempregados.
 Muita gente defende que o racismo no Brasil é invisível,porém  ele é gritante, não existem linhas imaginarias, elas são bem definidas.As desventuras da viagem já tinham ficado para trás, quando fui a um grande shopping em Salvador, caminhando pelo shopping foi inevitável recordar que estava na terra do apartheid escancarado. Pude ver os restaurantes que não precisam instaurar um regime de segregação para preto não ir, porque eles não vão. Sabemos quais são as lojas que eles não vão entrar, quais são os carros que eles não vão ter, os colégios que eles não vão estudar, os bairros que eles não vão morar, em muitos casos nem precisa mandar a policia para cumprir o papel de capitão do mato, como foi no caso do negro espancado no Banco Bradesco do bairro da Graça. Então, quem é mesmo que não vê o apartheid que existe aqui?
Sentada entre entre as paredes do ApartheidMuseum, chorei de indignação.Chorei pelo que acontece todos os dias nas nossas grandes ou pequenas cidades.Chorei pelos milhares de jovens assinados nas favelas e periferias por fornecer as drogas que a classe media e a elite consome.Chorei pela mediocridade dos racistas.Chorei pelo nosso Apartheid que não é institucionalizado, mas não deixa de ser. Chorei quando vi a foto de um garoto negro datada dos anos 70, dormindo com a cara em cima de um livro onde ensinava como melhor servir um branco. O Apartheid no Brasil ainda não acabou já dura há mais de 300 anos.
  Nossas crianças, todas elas, negras, brancas, amarelas, mestiças, índias, pardas;Precisam conhecer a historia da construção dessa nação, para que possam desenvolver uma consciência critica para que num futuro bem próximo possamos juntos superar todo e qualquer preconceito bem como todas as desigualdades sociais.
 

Juci Santana
 
Foi Diretora da Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social/ENECOS e da União dos Estudantes da Bahia/UEB. Atualmente é Conselheira Estadual de Juventude pela UBM e faz parte da Direção Estadual Executiva da UJS na Bahia

Exibições: 55

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço