Pesquisador defende que 'golpe' coloca em risco conquistas da população negra

"As conquistas estão vulneráveis diante do golpe, por consequência o sucesso e efetividade da Década Internacional do Afrodescendentes da ONU no Brasil".
Diosmar Filho avalia o impacto negativo da crise política brasileira para as conquistas da população negra nos últimos anos.
Leia "Brasil, do mundo negro à nação": http://migre.me/u7Qpb
Foto: Periferia em Movimento

Exibições: 216

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de andre costa brisolara cardozo em 20 junho 2016 às 8:44

Meus Amigos e Minhas Amigas.

 

 

Séculos antes da abolição da escravatura, a justiça brasileira só mandava prender e condena os quatro cinco P: preto, pobre, prostituta, Paraíba (generalizando os nordestinos) e pederasta (jocosamente como se classificavam os homossexuais até metade do século XX).

 

A história mostra – desde o hediondo crime da Baronesa, acontecido no maranhão, no século XIX – que a justiça sempre favoreceu os poderosos e condenou os negros. Há incomensurável número de casos de políticos, milionários, artistas e pessoas influentes que cometeram roubos estrondosos ou crimes terríveis e tiveram a complacência de juízes e mesmo do Supremo Tribunal Federal. Mas com  os negros, nordestinos pobres, prostitutas e homossexuais a justiça mostrava e mostra a sua força.

 

Há uma luz no fim do túnel mostrando que essa prática preconceituosa está findando. Pela primeira vez na história desse país, pessoas ricas e poderosas estão temendo a justiça. Corruptos e ladrões brancos, ricos e poderosos estão negociando a delação para não apodrecerem atrás das grades. Políticos que sempre se sentiram sob a guarda da justiça temem ter a sua causa direcionada para uma das capitais brasileiras: Curitiba. Tudo graças à atitude, determinação e justiça de um homem chamado Sérgio Moro.

 

Esse evento, inédito no país, é comemorado pela grande maioria do povo brasileiro, que a partir da operação lava jato passou a acreditar na justiça, mesmo sendo feita por um único Juiz.

 

Quem mais deveria estar comemorando essa vitória da justiça, são exatamente os que, seguindo na contramão da legalidade, da honradez e da vergonha na cara, tem usado as páginas sociais e os correios eletrônicos para protestar e contestar as ações de justiça do Juiz Sérgio Moro. Trata-se daquela velha e conhecida turminha dos movimentos negros. Esses vendilhões da raça, na defesa exacerbada de Zé Dirceu, Vaccari, Delcidio, Cunha, Calheiros e toda a quadrilha da esquerda petrolão, partem raivosamente contra o Juiz Sérgio Moro.

 

É constrangedor receber mensagens, via correio eletrônico, de parlamentares negros, entidades e líderes dos movimentos negros com postagens contra a operação lava jato e contra o Juiz Sérgio Moro. Mais constrangedoras são as mensagens dessa súcia desmoralizadora da Causa Negra e da Causa Quilombola. Além de assassinarem a língua portuguesa, ofendem descaradamente a justiça, e defendem os corruptos.

 

Lixos politiqueiros como a UNEGRO – União de Negros Pela IgualdadeCONAQ – Coordenação Nacional de Articulação das Entidades Negras Rurais Quilombolas; MNU - Movimento Negro Unificado; CEN – Coletivo de Entidade Negra; ENEGRECER – Coletivo Nacional da Juventude Negra; Comissão da Igualdade Racial da OAB/RJ (a lixeira maior), e outras porcarias que compões a salada de siglas com tempero de inutilidades, tem se juntado as forças brancas corruptas, com desenhos de esquerda, para atacar uma das grandes ações de justiça da história deste país, que está mandando para a cadeia seus patrões e sinhozinhos.

 

É um bando de lacaios, puxa sacos e pajens de politiqueiros e dos partidos políticos, aos quais negociam as mazelas lançadas contra a negritude e aos Quilombolas, em troca de cargos públicos subalternos e do vil metal, por meio de pseudos projetos sociais. Projetos que nunca chegam e nem beneficiam aos destinatários dos quais foi proposto. Pergunte a quaisquer energúmenos da UNEGRO, MNU, CEN, ENEGRECER e Comissão da Igualdade Racial da OAB/RJ que tipo de combate fazem contra os governos que, por meio da sua polícia, estão exterminando os jovens negros.

 

Pergunte a CONAQ, antro de gigolôs de Quilombolas, o que tem feito para que os Quilombos tenham saneamento básico, escolas, hospitais, transportes e suas terras tituladas.  NADA!!! Ou melhor, agem como repassadores diante dos governos recebem verbas direcionadas à Causa negra e a Causa Quilombola e embolsam.

 

Essa mesma velha e conhecida turminha, que há mais de três décadas desmoralizam e usurpam a Causa Negra e a Causa Quilombola, já mostraram sua ferocidade bem antes do Petrolão.   No mensalão a bola da vez, foi o Ministro e Presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barboza. Esses lacaios politiqueiros, frustrados por vir um negro honrado não se subjugar ao poder branco, emergiram das suas latrinas politiqueiras e, pasmem, iniciaram um ataque cruel e covarde contra o Ministro, usando as páginas sociais, criando falsos perfis, e os correios eletrônicos.

 

Em 2014 o movimento negro sacou da sua lama moral o cabeça de bagre, Sérvolo de Oliveira Silva, diretor de movimento negro e membro da comissão de ética do PT que publicou em sua página social: “Joaquim Barbosa deve ser morto. Contra Joaquim Barbosa toda violência é permitida. Nenhuma entidade, parlamentar ou líder do movimento negro se manifestou contra a atitude do cabeça de bagre. Por que? Porque compactuavam com ele contra o ministro Joaquim Barboza.

 

Naquele mesmo ano, estive em Brasília e presenciei uma cena chocante que contrastava com outra cena presenciada, também por mim, meses depois no Leblon, RJ. Em Brasília um grupo de negros com camisetas vermelhas, empunhando bandeiras do PT, do PC do B, da CUT e do MST vaiavam e gritavam ofensas contra o Ministro Joaquim Barbosa durante a sua saída de um restaurante.

 

No Leblon, certa manhã, motoristas paravam os ônibus e cumprimentavam; jovens, adultos e idosos de todas as raças e condições sociais, abraçavam e pediam para tirar foto como Cidadão Joaquim Barbosa, que de bermuda e camiseta se dirigia a uma banca de jornal. Essa duas imagens representam bem o quanto é nocivo para a raça negra esse câncer maligno que é a velha e conhecida turminha dos movimentos negros.

 

Estarrecida, a negritude se pergunta: por que essa raiva dos movimentos negros contra os magistrados, que são íntegros e fazem a verdadeira e legítima justiça? É o medo minha gente. Medo de que de uma hora para a outra seja deflagrada a Operação Máfia Negra, e chegue a hora deles irem também fazer companhia aos patrões e sinhozinhos, que tanto defendem.

 

Federações e Confederações Quilombolas sendo abertas a toque de caixa com olho gordo nas verbas direcionadas aos Quilombos; Comissão da Verdade Sobre a Escravidão Negra – que até agora não mostrou o seu real propósito – criando teses mal elaboradas e mentirosas sobre a escravatura negra; criação excessivas secretarias e centros de promoção da igualdade racial nos estados e municípios, mas que não funcionam para os propósitos os quais foram criados; parlamentares negros que não estão nem ai para a Causa Negra e para a Causa Quilombola; entidades e líderes negros se reunindo em surdina (aconteceu, aqui, no Rio) com os governos na suposta pauta do genocídio contra jovens negros... As ações politiqueiras e usurpadoras dessa velha e conhecida turminha é inalcançável em se tratando de interesses escusos e próprios.

 

Os taques injustificáveis dos movimentos negros contra o Juiz Sérgio Moro e contra a Operação Lava Jato não refletem o pensamento da grande e esmagadora maioria da população negra. Os caras estão sentindo-se com umas viúvas desgarradas. Uns lacaios e pajens sem rumos. Tudo porque seus patrões e sinhozinhos estão indo para a cadeia. E a culpa é do Juiz Sérgio Moro, e não da roubalheira que promoveram e promovem no Brasil.

 

Realmente é lamentável e constrangedor quando abro um e-mail e estão lá as mensagens ofensivas dos párias dos movimentos congro contra a Operação Lava Jato e contra o Juiz Sérgio Moro. Não se ver nenhuma mensagem contra os corruptos que quase faliram a Petrobrás. Nenhuma mensagem contra os corruptos que roubam as merendas escolares de crianças pobres. Nenhuma mensagem contra os corruptos que roubam verbas e remédios dos hospitais públicos. Nenhuma mensagem contra os governos responsáveis pelo genocídio de jovens negros.

 

Mas usam suas insignificâncias para atacar magistrados que fazem a legitima justiça.

 

Imaginem o que vão dizer e fazer quando a operação máfia negra vir à tona.

 

Vai faltar presídio para aconchegar esse criouléu, vendilhões da raça.

 

Abraços a todos.

 

Flávio Leandro

Cineasta, Professor de Produção Audiovisual, Professor de Produção Teatral.

 

 

 esta é uma carta desabafo e do que também sinto dentro do movimento negro nacional. escrito pelo professor e cineasta Flavio Leandro, mas continuamos na luta

Comentário de Aristides Marchetti filho em 17 junho 2016 às 2:14

Qual foram as conquistas reais?

O que é realmente aquilo que é chamado de "golpe"?

O que há é um script armado, com as falas e os papéis de cada personagem na mais soberba fraude que jamais se representou nesse país.

Um a um os próceres caem, sugerindo haver algo ainda mais podre e insólito do que vimos assistindo até agora.

Quem, realmente, manipula os cordéis das marionetes?

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço