Pirataria do século XXI, por Edson Cadette

Os piratas da Somália levaram a cabo um alto numero de seqüestros em 2009. Apesar do alto numero de navios de guerra para afugentá-los e também uma resolução da ONU com o intuito de enfrentá-los em alto mar.

No final do ano passado, o Centro de Relatório do Escritório Internacional Marítimo informou que em 2009, mais de 200 navios foram atacados no Golfo de Aden na Costa da Somália. Os ataques resultaram em 47 seqüestros. De acordo com o Escritório Marítimo, 111 navios foram atacados na região. Isto representa um aumento de 200% desde 2007.

Segundo um alto representante do Centro de Relatórios em Kuala Lapur na Malásia, o senhor Noel Choong, a presença de navios de guerras de países como EUA, Japão, Rússia, Índia e também da UE na região tem inibido ataques contra os navios de carga e também contra os cruzeiros.

Militares da Marinha afirmaram que em qualquer dia e possível avistar pelo menos 30 navios patrulhando a área. O índice de sucesso de pirataria diminuiu drasticamente por causa da presença da Marinha de acordo com o senhor Choong. Entretanto, os piratas que conhecem bem a região mudaram suas áreas de ataque, passando a atacar o Sul e Costa Leste, onde o patrulhamento e bastante precário.

Usando tecnologias altamente sofisticadas, material bélico pesado, grandes embarcações oceanográficas e barcos de ataques altamente velozes, os piratas podem operar longe da Costa por varias semanas.
O senhor Choong disse no final do ano passado que os donos dos navios de carga estão tomando as necessárias precauções contra os seqüestros. Contudo, ele não ouviu dizer que os navios estão levando guardas a bordo. Segundo ele, isto e uma atitude que definitivamente não aconselhável.

Fonte: www.correionago.com.br

Exibições: 139

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço