Policia de São Paulo apura denúncia de racismo em agência Banco do Brasil

 

A Polícia Civil de São Paulo investiga uma denúncia de racismo em uma agência do Banco do Brasil.

Suspeitos de torturar vigilante negro em SP são indiciado
Supermercado é acusado de constranger criança por racismo

O rapper e poeta negro Luciano Dimis da Silva, conhecido como James Bantu, disse que foi humilhado e ameaçado de prisão em uma agência na região da República (centro de São Paulo), no dia 9 de fevereiro, ao tentar descontar um cheque. Ele prestou depoimento na quarta-feira (23).

O banco nega a discriminação e diz que Bantu se recusou a seguir procedimentos de segurança.

O rapper conta que foi impedido de entrar com uma mochila com um laptop, mesmo depois da bolsa ter sido revistada por uma vigia.

Bantu questionou a proibição, dizendo que não havia armário disponível para guardar a mochila. A segurança, então, chamou um policial militar, a quem Bantu acusa de tê-lo humilhado.

Arquivo pessoal
O poeta e rapper James Bantu, que disse ter sido humilhado em agência do Banco do Brasil; a polícia investiga
O poeta e rapper James Bantu, que disse ter sido humilhado em agência do Banco do Brasil; a polícia investiga

O PM teria mandado o cantor encostar contra a parede e dito que, se quisesse, poderia deixá-lo nu na agência. Segundo o rapper, o policial o teria mandado "calar a boca" e só falar depois dele, caso contrário seria preso. Ao ver o notebook, o PM teria pedido a nota fiscal do aparelho.

Depois de nada ter sido encontrado na revista, o rapper disse que tentou ir embora. "Você só vai embora quando eu quiser", teria dito o PM.

Bantu conta que sentou no chão e começou a chorar, pedindo ajuda. Uma cliente do banco teria pedido ao policial para liberá-lo.

"Tinha medo de tentar sair e levar um tiro ou ser algemado", conta Bantu. Por fim, saiu do agência e entrou no prédio ao lado. Naquele dia, registrou queixa na Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância).

No outro dia, Bantu voltou à agência para descontar o cheque --de R$ 504, pagamento por serviços a uma ONG-- dessa vez, acompanhado de cerca de 30 amigos.

Segundo o advogado do rapper, Dojival Vieira, a gerente da agência prestou queixa contra Bantu, acusando-o de causar tumulto.

Procurado, o Decradi não quis falar sobre o caso para não atrapalhar as investigações.

Segundo Vieira, a delegada responsável deve pedir à Justiça que determine que o banco entregue as imagens das câmeras de segurança.

OUTRO LADO

Em nota, o Banco do Brasil afirmou que atende às exigências legais de procedimentos de segurança, como porta giratória e gravação de imagens, e disse que os clientes podem usar o porta-objetos para colocar bolsas e aparelhos metálicos.

O banco afirma que Bantu se recusou a seguir esse procedimento, e em momento algum sofreu qualquer tipo de discriminação.

Procurada, a Polícia Militar não respondeu até a manhã deste sábado.

 


FONTE; Folha de São Paulo - Carolina Leal

Exibições: 46

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Jr Borges em 28 março 2011 às 11:52

É triste o tratamento que recebemos em instituições financeiras, Tambem já fui vitima de racismo, mas não deixo de dizer em alto e bom som para que todos os presentes nesse espaço escutem que aquela é uma situação racista...

Garalmente funciona...

Comentário de luiz darlos de magalhaes em 27 março 2011 às 20:58
Algumas pessoas simplesmente não conseguem esconder esse horrível sentimento, escuto muitas piadas com forte teor racista todos os dias no meu trabalho, já me chamaram até de maconheiro.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço