Rodrigo Sant’anna apresenta a "musa inspiradora" da pedinte Adelaide, do ‘Zorra’, e afirma: ‘Sou a cara da pobreza!’

Adelaide: 'centarrus' para enriquecer

Adelaide: 'centarrus' para enriquecer Foto: Thiago Lontra

Por Naiara Andrade

 

Volta e meia, Rodrigo Sant’anna é surpreendido nas ruas com um "Valéria, tem dez centarru?". São fãs misturando nome e bordão de suas personagens mais queridas: a transexual Valéria Vasques e a pedinte Adelaide, do Metrô Zorra Brasil. Pudera! Há três anos, o ator vem colecionando sucessos no "Zorra total". Desde o malandro Admílson, quando dividia cena com a glamourosa Lady Kate (Katiúscia Canoro).

— Fico meio tímido com o assédio do povo, sempre muito festivo. Às vezes, tenho medo de decepcionar as pessoas, porque elas me veem na TV numa situação tão descontraída, de levada sacana, e na vida real sou tão água-com-açúcar... — entrega-se o carioca de 31 anos, nascido no Morro dos Macacos, Zona Norte do Rio.

Inspiração caseira

Foi no subúrbio que, outra vez, Rodrigo buscou inspiração para suas criações. Mais do que na comunidade onde nasceu, Adelaide ganhou vida dentro da própria casa do artista, na figura de Adélia Rosa, essa senhorinha simpática da foto aí ao lado, de 86 anos.

— Minha avó é uma figura! Tem voz arrastada, nariz largo, e vive com uma atadura na perna, mancando por causa das varizes. Transportei isso para a Adelaide. Só não copiei a bengala porque queria que Adelaide parecesse mais jovem. Na minha cabeça, ela tem 33 anos, mas é acabada — explica.

Rodrigo e a avó, Adélia Rosa: inspiração de dentro de casa

Rodrigo e a avó, Adélia Rosa: inspiração de dentro de casa Foto: Roberto Moreyra


Cara de uma...

Mal termina de descrever a avó, dona Adélia dá o ar da graça na sala do apartamento de Laranjeiras, que ganhou de presente do neto. Sua semelhança com a mais nova sensação do humor é realmente espantosa...

— Ah, fico muito feliz com essa homenagem! Adelaide é muito parecida comigo... Gosto dela todinha, inteirinha! E o marido dela? Engraçado à beça. Até nisso ele copiou: quando era mais nova, gostei de um cara igualzinho, bebia pra caramba! — conta a musa inspiradora, apertando os olhinhos num sorriso de satisfação: — Não perco o "Zorra". É muita emoção!

É esse orgulho de dona Adélia em ser retratada como é que Rodrigo cita ao comentar as críticas — descabidas, ele frisa — a Adelaide. Meses atrás, a personagem foi acionada na justiça, sob a acusação de racismo. Telespectadores e membros de ONGs teriam se indignado com uma das cenas do humorístico, em que a pedinte teria comparado o cabelo da filha, Brit Sprite (Isabelle Marques) a palha de aço.

— Talvez se eu tivesse uma avó loura, de olhos azuis, não estivesse enfrentando isso... - Fico triste, de verdade. Sempre contei minha história de uma maneira muito aberta, sem ser panfletário. Falo de gente pobre, humilde, feia, desdentada, analfabeta, com nariz grande, porque é com esse tipo de gente que eu convivi a minha vida inteira. Elas são a matéria-prima do meu trabalho. Minha inspiração é minha família, são os meus amigos. Pessoas das quais eu me orgulho, independentemente dos defeitos que tenham. Quero homenageá-los do jeito que eu melhor sei, com humor. Caso contrário, eu iria fazer, sei lá, Almodóvar! Graças a Deus, ninguém nunca me abordou de maneira pejorativa nas ruas.

Adelaide e a filha, Brit Sprite

Adelaide e a filha, Brit Sprite Foto: Rede Globo/ Divulgação

A cara da pobreza

Rodrigo ri de si mesmo ao citar um dos bordões de Adelaide preferidos pelo público:

— Se Xuxa é a cara da riqueza, eu sou a da pobreza. Outro dia, estava me assistindo no programa dela e comentei: "Meu Deus do Céu! Olha essa minha cara... Nunca que eu deveria estar fazendo televisão, gente!".

Há também, é claro, os que, sentindo-se "celebrados" pela figura de Adelaide, se aproveitam do sucesso da ficção para tentar se dar bem na vida real.

— Já me disseram que tinham visto gente no sinal de trânsito pedindo moeda como ela, com aquela musicalidade, falando "centarru" e tudo — conta Rodrigo, pessoalmente contrário a dar esmolas: — Mendicância virou profissão, né? E, ao mesmo tempo que você fica compadecido com o sofrimento alheio, pode estar contribuindo para que aquela pessoa sobreviva na mesmice. Dinheiro eu não dou, só comida. Mesmo assim, já fui surpreendido negativamente. Uma menina me devolveu um prato: "Miojo eu não como!". E um mendigo que vivia reclamando que estava morrendo de fome, depois de traçar um lanche que eu dei, limpou a boca e repetiu o discurso. Ou seja: esse pessoal não sente fome. Pedir é um vício, e eles são verdadeiros atores. Melhores que eu!

Nem um pouco humilde, muito menos pobre — vide o celular e o tablet que exibe toda vez que aparece —, Adelaide é mais uma vítima do consumismo, segundo definição de seu criador:

— Hoje em dia, independentemente da classe social e financeira em que você vive, o que te torna rico não é a quantidade de coisas que se tem, e sim em quantas vezes você pagou para ter aquilo. Quanta gente de geladeira vazia tem dois celulares, rádio, tablet e tudo mais? Adelaide é uma figura muito realista. Se fantasia de feia para sustentar a imagem da "coitada".

Com o sucesso, Rodrigo conseguiu realizar sonhos de consumo, e hoje mora na Zona Sul do RioCom o sucesso, Rodrigo conseguiu realizar sonhos de consumo, e hoje mora na Zona Sul do Rio Foto: Roberto Moreyra/ 03.11.2011

Sonhos realizados

Zero exibicionista, Rodrigo não gosta de comentar o patrimônio adquirido com o sucesso. Mas deixa escapar que tornou real alguns de seus sonhos de consumo, como um iPhone, uma bicicleta elétrica para passear pela orla carioca e, o mais importante, a casa própria, a sua e a da família. Ele trouxe a mãe e a avó de Quintino para a Zona Sul e comprou um segundo apartamento, com vista para a Baía de Guanabara.

— Mas sou tão desapegado que mobiliei o apê, aluguei com tudo dentro para um gringo e fui morar de aluguel em Copacabana. Lá eu tenho mais tranquilidade para passear de bicicleta, é mais agradável.

Assim como Adelaide, o artista tem suas economias.

— Não gasto dinheiro sem necessidade porque sei o valor dele. Não esbanjo com nada. Aliás, ainda não consegui fazer uma viagem internacional, nessa correria toda. Um dia ainda vou para Nova York gastar um pouquinho — brinca.

Rodrigo como o alcoólatra Jurandir: ele só aparece no Ipad

Rodrigo como o alcoólatra Jurandir: ele só aparece no Ipad Foto: Reprodução


Na pele do Burro

Hiperativo por natureza, Rodrigo acumula três personagens no "Zorra" (Valéria, Adelaide e seu marido, o pinguço Jurandir) e, fora da TV, ainda dá conta de três programas de rádio (na Rádio Globo e na Beat 98) e duas peças teatrais em cartaz ("Comício gargalhada" e "O patrão"), além de frequentar aulas de canto para estrelar o musical "Shrek", que estreia em dezembro no Teatro João Caetano. No palco, Rodrigo viverá Burro, o melhor amigo do ogro. Só a faculdade de Psicologia, que tinha começado a cursar, ficou para trás.

— Não dei conta. Desde que Valéria estourou, não faço outra coisa a não ser trabalhar. Nas vezes que me estressei, me senti culpado: "Isso foi tudo o que sempre quis pra mim, como posso estar cansado? Não!". Não me permito reclamar. Meu maior medo é cair no ostracismo, ser esquecido porque não consegui solidificar uma carreira com minhas criações.

O lado ruim da fama? A repercussão na mídia sempre chega acompanhada de uma sensação de angústia: mal o novo personagem ganha o carinho do público, o humorista já está pensando no próximo.

— Respiro aliviado: "Ufa, consegui emplacar mais um". Mas sou tão louco, que não relaxo: "Beleza! E agora? Qual é o novo texto, qual será o novo bordão?". Isso é muito ruim, muito sofrido — desabafa ele, já deixando escapar o que está por vir: — Tem dois papéis que interpreto no teatro que podem vingar na TV, o sensitivo Vanderley das Almas e o Homossexual Obeso.

Pelo jeito, vem mais burburinho por aí...



Fonte: http://extra.globo.com/tv-e-lazer/rodrigo-santanna-apresenta-musa-i...

Exibições: 3442

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Wenceslau Santos em 28 outubro 2012 às 11:51

Sinceramente, acho que não colou ... ainda acho o quadro inapropriado.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço