Salvador registra mais de 70% de ocorrências de racismo durante todo o carnaval

Com mais de 2 milhões de habitantes, 79% da população de Salvador, capital da Bahia, se autodeclara negra, de acordo a última pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mesmo com a predominância de negros, o Observatório da Discriminação Racial, da Violência contra a Mulher e LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) registrou 402 casos de discriminação racial durante seis dias da festa momesca. A ocorrência lidera no número total de todos os registros, com 73,89% de casos.

Com quatro Postos de Atendimento localizados em lugares estratégicos dos circuitos de carnaval, o Observatório registrou um aumento de 15,8% de ocorrências em relação ao ano de 2012, com um total de 544 atos de violência e discriminação.

De acordo com o Observatório, o maior número de ocorrências aconteceu no sábado de carnaval, dia 09, com 143 registros  com predominância no Circuito Osmar, na região do bairro do Campo Grande. Nas ocorrências de racismo, o destaque foi para o quesito vulnerabilidade social de negros e negras na folia, seguida pelo quesito agressão. Outro dado importante foi o registro de 18 denúncias de racismo que deverão ser apuradas pelos órgãos competentes, baseando-se nas informações dos denunciantes.

Violência contra mulher e LGBT

Agressão foi o quesito com mais evidência no foco violência contra a mulher, entretanto, com inúmeras campanhas de respeito às mulheres, houve uma leve diminuição dos casos registrados em relação à edição 2012 do Observatório, apresentando neste ano um total de 112 ocorrências, com quatro denúncias.

No foco LGBT foram contabilizados 12 ocorrências, sendo 11 agressões.

Os dados obtidos através de observadores, do telefone 156 e das câmeras de videomonitoramento são considerados uma amostra de graves problemas que a maior festa popular do mundo ainda apresenta e ratifica, mais uma vez, a necessidade e a importância do Observatório como uma ferramenta para a formulação de políticas públicas.

A ação é da Prefeitura do Salvador, promovida pela Secretaria da Reparação, e tem como finalidade gerar informações que subsidiem a construção de indicadores para planejamento das políticas governamentais de promoção de igualdade e enfrentamento das discriminações de raça, gênero, orientação sexual.

Informações da Secretaria Municipal da Reparação de Salvador/SEMUR

Exibições: 663

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de marcus maia em 14 fevereiro 2013 às 20:52

Carnaval coisa boa muita gente,por metro quadrado e falta de educação de ''diretor'' do ile,conhecido por macalé que violentamente empurrou minha esposa que estava prestando serviço a Prefeitura de Salvador,obstruindo o seu direito de atravessar a rua para ir embora , cadê a cultura de respeito ao negro, e a mulher,mas oque ela se esqueceu e que o bloco e reincidente em violência contra a mulher,ano passado teve o episodio com a professora     

Comentário de Dijalma Bastos Rossi em 14 fevereiro 2013 às 16:06

É preciso disseminar de fato uma cultura de paz, campanhas educativas pela reeducação no consumo de álcool e outras drogas que potencializam o descontrole nervoso.  A festa tem tudo para continuar maravilhosa, mais e preciso reduzir  estes excessos do álcool e substancias psicoativas e fortalecer a campanha pela não violência e quem sabe teremos mais alegria e folia

Comentário de José Osmar Silva em 14 fevereiro 2013 às 10:39

Caríssima Lorena, lendo o seu post,e, pode até parecer irreverente, mas não pude deixar de refletir- o fato de que em assunto, do meu ponto de vista de tão grande relevância,houvesse até o momento, nenhum comentário, ou estou enganado, a noticia não tem nenhuma relevância- sobre alguns dados contidos no mesmo seja os 15.8% de aumento de ocorrências comparado a 2012, considerando o  destaque para a Vulnerabilidade Social; violência contra a Mulher; violência contra LGBT; Racismo; Discriminação Racial. Todas esta ocorrências partem dos conceitos ou pré-conceitos de: raça, gênero e orientação sexual conforme o noticiado E isto foi o que me levou a refletir sobre estes números. Salvador, 2 milhões de habitantes, 79% da população se auto declarando  negra, pensando no aumento ainda conforme a noticia, fica a pergunta, o que de fato tem de ser feito para que medidas preventivas, e, ações reparadoras sejam tomadas, para que não tenhamos mais noticias de aumento de violência? Afinal ano após ano, terminado o carnaval, más noticias, mas noticia e más noticias, até quando?

Comentário de Instituto Mídia Étnica em 14 fevereiro 2013 às 9:41

Curta a fanpage do CORREIO NAGÔ no Twitter e fique bem informado. Clique aqui:

http://www.facebook.com/pages/Portal-Correio-Nagô/391484814207999

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço