"Todas as engrenagens de comando no Brasil estão nas mãos de pessoas brancas e conservadoras", diz Joaquim Barbosa, relator do Mensalão

Foto: Lula Marques/Folhapress


"A imprensa brasileira é toda ela branca, conservadora. O empresariado, idem". "Todas as engrenagens de comando no Brasil estão nas mãos de pessoas brancas e conservadoras."

"O Brasil ainda não é politicamente correto. Uma pessoa com o mínimo de sensibilidade liga a TV e vê o racismo estampado aí nas novelas."

"O racismo parte da premissa de que alguém é superior. O negro é sempre inferior. E dessa pessoa não se admite sequer que ela abra a boca. 'Ele é maluco, é um briguento'. No meu caso, como não sou de abaixar a crista em hipótese alguma...”.

Essas são algumas das declarações do ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, relator do processo do Mensalão, publicadas neste domingo, 07/10, na coluna de Mônica Bergamo da Folha de São Paulo.

Nascido em Paracatu, no interior de Minas, filho mais velho de uma mãe dona de casa e um pai pedreiro, o magistrado conta ao jornal paulista que teve uma infância pobre e o racismo apareceu em sua "infância, adolescência, na maturidade e aparece agora". Para ele, o racismo se manifesta em "piadas, agressões mesmo". "O Brasil ainda não é politicamente correto. Uma pessoa com o mínimo de sensibilidade liga a TV e vê o racismo estampado aí nas novelas". Já discutiu com vários colegas do STF. Mas diz que polêmicas "são muito menos reportadas, e meio que abafadas, quando se trata de brigas entre ministros brancos".

Segunda a coluna da Folha, há 30 anos, já formado em direito e trabalhando no Itamaraty como oficial de chancelaria, prestou concurso para diplomata. Passou. Foi barrado na entrevista.

Na entrevista, Joaquim Barbosa conta ainda detalhes da sua infância, com oito irmãos, e das referências recebidas do pai. "Ele era aquele cara que não se submetia. Tinha temperamento duro, falava de igual para igual com os patrões. Tanto é que veio trabalhar em Brasília, na construção, mas se desentendeu com o chefe e foi embora", lembra Joaquim.

O pai vendeu a casa em que morava com a família e comprou um caminhão. Chegou a ter 15 empregados no boom econômico dos anos 70. "E levava a garotada para trabalhar." Entre eles, o próprio Joaquim, então com 10 anos.

Cursou direito na Universidade de Brasília, de 1975 a 1982, trabalhou na composição gráfica de jornais, no Itamaraty. Ingressou por concurso no Ministério Público Federal. Tirou licenças para fazer doutorado na Universidade de Paris-II. E passou períodos em universidades dos EUA como acadêmico visitante em centros acadêmicos como a Universidade da Califórnia, Los Angeles. Fala francês, inglês e alemão.

 

Na reportagem da Folha de São Paulo, Joaquim Barbosa revela sua "imparcialidade e equidistância em relação a grupos e organizações", compravas pela participação do magistrado em julgamentos diversos, envolvendo partidos de diferentes posições políticas, como o PP paulista de Paulo Maluf, o PSDB mineiro de Eduardo Azeredo e, agora, o PT nacional de José Dirceu e José Genuíno.  

Joaquim Barbosa também deixa claro seu distanciamento pessoal do poder. "Vi o Lula pela primeira vez no dia do anúncio da minha posse. Não falei antes, nem por telefone. Nunca, nunca." Depois, continuou distante de Lula. Não foi procurado nem mesmo nos momentos cruciais do mensalão. "Nunca, nem pelo Lula nem pela [presidente] Dilma [Rousseff]. Isso é importante. Porque a tradição no Brasil é a pressão. Mas eu também não dou espaço, né?".

Mas faz elogios aos “avanços inegáveis” trazidos pelo Governo Lula, a quem deu o seu voto em três eleições, além de votar em Dilma em 2010. E declara à jornalista Mônica Bergamo: "Vou te confidenciar uma coisa, que o Lula talvez não saiba: devo ter sido um dos primeiros brasileiros a falar no exterior, em Los Angeles, do que viria a ser o governo dele. Havia pânico. Num seminário, desmistifiquei: 'Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas'."

Perguntado se teria o prazer em condenar (herança dos tempos de atuação no Ministério Público), o magistrado nega:

"É uma decisão muito dura. Mas é também um dever". "O problema é que no Brasil não se condena", diz. "Estou no tribunal há sete anos, e esta é a segunda vez que temos que condenar. Então esse ato, para mim e para boa parte dos ministros do STF, ainda é muito recente."

Sobre a possibilidade do julgamento do Mensalão, com vigilância e punição, ser um fato isolado na justiça brasileira, sem transformação na cultura jurídica do país, Joaquim Barbosa é enfático: "Não acredito. Haverá uma vigilância e uma cobrança maior do Supremo. Este julgamento tem potencial para proporcionar mudanças de cultura, política, jurídica. Alguma mudança certamente virá".

A entrevista à Folha termina com o ministro dizendo que não gosta de ser tratado como "herói" do julgamento. "Isso aí é consequência da falta de referências positivas no país. Daí a necessidade de se encontrar um herói. Mesmo que seja um anti-herói, como eu".

Exibições: 1239

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de AJ Cardiais em 12 outubro 2012 às 19:57

Nós perdemos a segunda chance de ter um prefeito negro. A primeira foi com o dr. Edvaldo Brito. Eu só queria saber uma coisa: A maioria populacional de Salvador, não é negra? Por que não conseguimos elegê-los? Na época do dr Edvaldo Brito eu vi blocos afros e alguns negros do Pelourinho, apoiando Mario Kertsz. Agora eu não vi nenhuma entidade negra apoiando Hamilton. Como nós vamos vencer este "bloqueio", se não nos unirmos? Acredito que seja justamente nesta falta de união e de irmandade que está a "fraqueza".  Leia este texto: http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/3600533

Comentário de FUNDAÇÃO BOB MARLEY em 12 outubro 2012 às 13:38

Passou da hora de tomarmos conta do que é nosso. NOSSO país está cheio de HERÓIS. Vamos deixar os "negos sonhos de valsa, os negos dominós" de lado, aquelem que renegam sua cultura, história, raça, MULHER, e nos voltarmos pra quem pode mudar, ou melhor, nos ajudar a mudar essa situação. Depois eles com certeza virão atrás do TSUNAMI NEGRO, senão morrerão afogados na sua ignorância.

Comentário de Maria Isabel (Isa) Soares em 11 outubro 2012 às 14:45

Bravo, bravo, bravíssimo!!!!!!!!

Comentário de GRBO em 10 outubro 2012 às 21:17

Indico uma matéria escrita por mim e publicada aqui no Correio Nagô: http://correionago.ning.com/profiles/blogs/por-que-ele-t-o-temido-p...

 

Comentário de Ivanovitch Medina Santos em 9 outubro 2012 às 13:24

Está aí uma grande referência; mas não teria conseguido nada sem livros, sem educação, sem cultura, sem leitura e depois uma pessoa com a coragem do Lula para quebrar o status e o indicar ao cargo que ocupa hoje.

Comentário de Aparecida Ivone Albano em 9 outubro 2012 às 0:11

Particularmente você é um herói, pois diante dessa corja de corruptos, muitos seriam covardes...Parabéns!  você é mais um espelho.

 

Comentário de Rosivalda Barreto em 8 outubro 2012 às 9:05

A mais nova falácia dos brancos é colocarem negros em suas chapas como vices? Por que não os colocam como candidatos/atores  principais?

Comentário de Nyyra em 8 outubro 2012 às 3:18

Na democracia direta, o povo, através de plebiscito, referendo ou outras formas de consultas populares, pode decidir diretamente sobre assuntos políticos ou administrativos . Não existem intermediários (deputados, senadores, vereadores). Esta forma não é muito comum na atualidade. 

Comentário de Rafaela Vipper em 7 outubro 2012 às 21:34

Isso não é nenhuma novidade; mas infelizmente o povo brasileiro não acorda para estes detalhes!

Comentário de Nadia Souza em 7 outubro 2012 às 18:33

Extremamente coerente, centrado, Joaquim Barbosa certamente é um representante do povo Brasileiro!

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2021   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço