União Africana elege sua primeira presidente na história da organização

 

Adis Abeba  - O continente africano dá mais um passo histórico na busca pela igualdade de gênero e avanço das mulheres em cargos de poder. Ontem, 15/07, foi eleita na cidade de Adis Abeba, Etiópia, a primeira mulher para presidir a União Africana, a mais importante instituição diplomática do continente, a sul-africana Nkosazana Dlamini Zuma.

A nova gestora é médica de formação, foi ministra da saúde de 1994 a 1998 no governo de Nelson Mandela - sendo a primeira ministra de saúde no pós apartheid - além de ter servido como ministra das Relações Exteriores nos governos de Thabo Mbeki e Kgalema Molanthe. Zuma é também uma militante histórica da luta contra o apartheid.

 

Criada em 1963 por líderes como Kwame Nkrumah, Haile Selassie e Léopold Senghor, a União Africana nunca havia tido uma mulher em seu cargo principal, isso em um continente onde as violações aos direitos das mulheres é um fato constante, como casos de mutilação genital, violência doméstica e tráfico de meninas.

Foto: Reuters

Desafios

 

Nkosazana Dlamini Zuma enfrentou grande dificuldade para vencer essa eleição que teve um forte lobby dos países de língua francesa para a reeleição do gabonês Jian Ping no cargo. Ping foi eleito em 2008 e se manteve na importante função até ontem.

Os desafios da nova presidente não serão poucos. O continente enfrenta uma nova onda de conflitos e golpes de Estado, como o caso do Mali, onde rebeldes estão destruindo locais históricos como a Universidade de Timbuktu – a primeira cidade universitária do mundo –, e na República Democrática do Congo, onde a União Africana planeja enviar tropas para resolver o conflito com rebeldes do grupo M23 na província Kivu do Norte. Além disso, a disputa entre o Sudão e o Sudão do Sul, que tem como prazo para sua resolução no próximo dia 2 de agosto, está em um momento crítico.

A questão de gênero é outro desafio que tem sido cada vez mais pautado por organizações multilaterais e a liderança de uma mulher na UA é um avanço histórico nesse tema. Em 2005 a presidente da Libéria, Ellen Jonhson Sirlef, também fez história sendo a primeira mulher a presidir uma nação africana.

 

Hoje, o continente tem duas representantes, a presidente Ellen, que se reelegeu em 2011, e a presidente do Malaui, Joyce Banda, que assumiu o cargo após o falecimento do presidente Bingu wa Mutharika, em abril desse ano. Banda era a vice presidente e sucessora natural do cargo.

 

Nkosazana Dlamini Zuma tem 63 anos, é da etnia Zulu, e é vista como uma líder competente em seu país. A nova presidente da União Africana é também ex-esposa do atual presidente sul-africano, Jacob Zuma. Sua vitória na eleição para o cargo teve como fator decisivo o alinhamento dos países de língua inglesa para apoiar sua candidatura frente ao bloco de países francófonos.

 

A nova presidente deixa o atual cargo de ministra do Interior de uma das maiores nações do continente para assumir uma tarefa ainda mais desafiadora, a busca de soluções para a unificação de um continente marcado por disputas territoriais, conflitos diplomáticos e graves violações de gênero.

 

Paulo Rogério Nunes, de Adis Abeba, Etiópia, especial para o CORREIO NAGÔ.

Twitter - @paulorogerio81

Exibições: 1387

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Maria Isabel (Isa) Soares em 27 julho 2012 às 3:57

Na tarefa de resurgir das cinzas do ostracismo político, social que traz a dependencia dos seres desprestigiados pelas "diferenças" de toda índole. Saúde e grandeza de espírito para a Sra. Nkosazana Dlamini Zuma, agora e sempre.

Comentário de Rosivalda Barreto em 16 julho 2012 às 10:08

OS EUROPEUSE A IGREJA CATÓLICA FORAM MAIS LONGE, DESDE O TRÁFICO TRANSATLÂNTICO. EM GRANDÍSSIMA PARTE COLABORADORES DAS BARBÁRIES ACONTECIDAS NO CONTINENTE AFRINCANO E AMÉRICAS. FORAM, PROMOTORES DO RACISMO ANTINEGRO E AFRICANO PROMOVENDO E PERPETRANDO A DESUMANIDADE DOS AFRICANOS E AFORDESCENDENTES SUSTENTADO PELAS TEORIAS RACIOLÓGICAS EUROPEIAS, E COM ESSAS TEORIAS VEIO TAMBÉM O FOMENTO DO MACHISMO, GENNCÍDIOS, ETNOCÍDIOS E TOTAL DESRESPEITO ÀS MULHERES NEGRAS. A EUROPA COMO SEU COLONIALISMO FOI A DESGRAÇA DA HUMANIDADE!

Comentário de Rosivalda Barreto em 16 julho 2012 às 6:25

Isso é interessante porque a África está voltando às suas origens por que segundo as teorias de Cheikh Anta Diop as mulheres africanas eram junto com os homens provedoras de seu território. Isso mudou com a invasão do continente primeiro pelo Islã e depois pelos europeus. Enfim a África vai fazer o que sempre fez antes do crime que foi e está sendo cometido por países coloniais e imprialistas.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço