União Africana quer investir em projetos de Ciência e Tecnologia para reduzir a dependência econômica.

 

Para muitos,  o continente africano ainda é visto apenas como uma fonte de recursos naturais e de economias dependentes de seus antigos colonizadores.  Contudo, essa visão está cada vez mais sendo questionada e novas perspectivas para o desenvolvimento africano estão se abrindo, com investimentos em pesquisas no campo da ciência e tecnologia.

Para aumentar a produção científica dentro do continente africano e criar projetos que possam desafiar essa lógica, foi criada a Comissão de Recursos Humanos, Ciência e Tecnologia da União Africana,  como sede em Adis Abeba. O órgão,  coordenado pelo matemático beninense, Jean Pierre O. Ezi, tem desenvolvido diversos projetos, com o objetivo de contribuir de maneira estratégia para o desenvolvimento do continente e superar os desafios do século XXI.

 A primeira ideia que tem sido promovida pelo órgão é a de que, além dos recursos materiais, os países africanos precisam desenvolver, com urgência, seu capital humano para evitar a  dependência em relação a outras nações que possuem maiores investimentos em tecnologia. “Nós precisamos de transferência de tecnologia”, alerta Ezi, que antes de assumir o posto na União Africana  coordenou o Instituto de Matemática e Ciência da Universidade do Benin. O gestor é responsável por convencer os governos africanos a investir em ciência e poder trazer benefícios importantes e sustentáveis para o países

 

Dentre os projetos que a Comissão vem desenvolvendo para aumentar a produção de pesquisas sobre ciência e tecnologia nos países africanos, está a Universidade Panafricana, uma iniciativa que promete criar um novo marco para o setor, criando uma rede de instituições de excelência.  “A ideia é criar  instituições  de pesquisa no nível da Harvard e MIT”, explica Ezi. A expectativa é que a juventude africana possa ter mais possibilidade de estudar e desenvolver projetos no próprio continente, atraindo profissionais dentro e fora da África.

 

Um problema que essa iniciativa visa resolver é trazer de volta a diáspora africana, sobretudo a diáspora que saiu da África recentemente e optou, ou foi obrigada, a viver no ocidente pela falta de oportunidades, fazendo parte do fenômeno conhecido como a “fuga de cérebros”. Além disso, a Universidade Panafricana será uma oportunidade para comunidade acadêmica afrodescendente nas Américas contribuir com o desenvolvimento e renascimento africano.

 

Para concretizar esse objetivo, a estrutura da Universidade Panafricana foi dividida em temas e localidades. A ideia é que em cinco anos a Universidade possa ter campus de pesquisas em cinco capitais estratégicas: um centro de excelência em Água e Energia na Argélia,  outro para discutir tecnologia e inovação no Quênia, um especializado em  humanidades no Camarões e assim por diante. Os recursos para essa empreitada serão compartilhados entre os países que sediarão as instituições, a União Africana e instituições de cooperação internacional. Cada instituição deve formar em torno de 150 especialistas por ano, em cursos de mestrado e doutorado. Ao todo, são esperados um investimento de 22 milhões de dólares para a concretização da primeira fase do projeto.

 

Paulo Rogério Nunes, de Adis Abeba, Etiópia, para o CORREIO NAGÔ

Twitter - @paulorogerio81

 

Exibições: 527

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Maria Isabel (Isa) Soares em 27 julho 2012 às 3:39

Que a força da Natureza mesma e os homens de boa vontade estejam afinados. Progresso e bem estar é o que todos os seres necessitam. Boa vida para todos e todas.

Comentário de Jorge José do nascimento em 23 julho 2012 às 20:42

Abraços também á minha amiga  Rokza Stern Meir Habsburg, como sempre com um texto preciso e enfático, com conhecimento de causa, parabéns e SHALOM

Comentário de Dilnei Severo em 23 julho 2012 às 12:04

Grande iniciativa

Espero que esta Comissão liderada pelo matemático africano possa realmente contribuir para a reversão da diáspora negra.

Mas é aquela história... prara alguem que está fora desejar retornar à Africa ou mesmo um não africano desejar ir para o continente para relaizar atividades educacionais  a coisa tem que ser muito boa.

Isto demosntra a grandeza de tudo o que será necessário para tocar um projeto assim.

Vou acompanhar e acho que esta é uma verdadeira resposta para quem acha que a Africa está condenada a ser o continenete dos desvalidos, da pobreza, enfim , aquilo que todo mundo sabe.

Comentário de Jorge José do nascimento em 21 julho 2012 às 17:11

Irmã Rokza, este processo de união territorial é um desejo de mais de mil anos, onde se permeia a vontade e a desilusão por não conseguir-mos  efetuar essa mesma união.A divisão errõnea das ÁFRICAS entre sul e norte, fazendo com que se intitulem entre  bom e o o ruim fazem com que se perca os objetivos principais, que é o crescimento do continente africano, como jornalista vejo que o caminho é mesmo esse, a desvinculação  das doações que só fazem crescer a corrupção e o desvio de caráter de uma população já sofrida e massacrada pelo capitalismo selvagem e grosseiro que as empurra para praticamente nada e sem objetivos, no mais acho que este é o caminho melhor que se pode oferecer.

SHALOM

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2019   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço