Vitória do Movimento Negro: Alexandre Pires é convocado a prestar esclarecimentos ao MP sobre vídeo acusado de conteúdo racista e sexista

 
Decisão do MP atendeu a solicitação de providências da Ouvidoria da Seppir, que acatou denúncias de diversas entidades sobre o vídeo que compara pessoas negras a macacos

 

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou procedimento administrativo na Procuradoria da República, em Uberlândia, Minas Gerais, para que o cantor Alexandre Pires preste esclarecimentos sobre o vídeo Kong, denunciado por exibir conteúdo racista e sexista. A convocação do artista foi motivada por solicitação de providências encaminhada pela Ouvidoria da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) ao MPF.

Além do Ministério Público, o órgão oficiou a gravadora Sony Music, o Departamento de Polícia Federal e a Ouvidoria da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM). Esta última, em função da exposição de mulheres na peça publicitária, reforçando o estereótipo de símbolo sexual.

De acordo com o Ouvidor da Seppir, Carlos Alberto Júnior, o MP foi acionado em função de denúncias oriundas de várias entidades entre as quais o Observatório do Racismo Virtual, que acusa a postagem do vídeo no site youtube, com “conteúdo racista e sexista, comprometendo as lutas do movimento negro na superação do racismo, e das mulheres na superação do sexismo. Combinando artistas e atletas, o vídeo utiliza clichês e estereótipos contra a população negra”.

Em sua argumentação, o ouvidor da Seppir observa: “ao expor pessoas negras vestidas de “macaco”, o referido cantor contribui para a permanência histórica do racismo e práticas eugenistas, de inferiorização da população negra, tendo em vista que a maioria das denúncias feitas à Ouvidoria Nacional da Igualdade Racial são ofensas às pessoas negras comparadas a “macacos”.

Devassa
Processo semelhante, envolvendo a cervejaria Devassa do Grupo Schincariol, foi arquivado recentemente, após o cumprimento de determinações do MP pela empresa. Além da realização de seminários para discutir formas de solucionar o conflito configurado nas propagandas de cerveja e os direitos das mulheres, a Schincariol foi condenada a pagar multa e divulgar contrapropaganda por prática de campanhas publicitárias discriminatórias.

A peça que originou a reclamação contra a Devassa utilizava uma frase associando a imagem de uma mulher negra à cerveja, reforçando o processo de racismo e discriminação a que as mulheres negras estão submetidas historicamente no Brasil. O processo foi encaminhado pela SEPPIR, que cumpriu os acordos internacionais de violações aos direitos das mulheres, a partir das denúncias referentes à propaganda que divulgava a frase: "É pelo corpo que se reconhece a verdadeira negra. Devassa negra encorpada. Estilo dark ale de alta fermentação. Cremosa com aroma de malte torrado".

De acordo com o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), as infrações cometidas no anúncio da Devassa encontravam-se previstas em inúmeros artigos do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.
 

Fonte Seppir

Exibições: 2445

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Marco Antonio Soares em 28 abril 2012 às 21:12

A SEPPIR - secretaria de pol´´iticas de promoção da ideologia racista e a secretaria das feminazis não têm mesmo o que fazer daí pra justificar os carguinhos fazem essas presepadas. Querem implementar a censura e acriação de classes intocáveis. Não vi nenhum racismo no clip e se houve alguma refer~encia a raça só pode ser uma sátira aos racistas. Mas os burros politicamente corretos não entendem isso e são incentivados na sua burrice pélos espertos desses movimentinhos que não representam ninguém mas barganham espaços no poder.

Comentário de Adelson Silva de Brito em 28 abril 2012 às 19:27

Esse jovem homem encarna o que aqui se costumou chamar de "negro pai joão,"  e que nos Estados Unidos, é denominado de " Uncle Tom" (Tio Tomás) personagem (marcado pelas características de "bondade" para com os seus senhores brancos) do romance de Harriet Beecher Stow " Uncle Tom´s cabin " que em portugues foi traduzido para "A cabana do Pai Tomás".Ele é o "escurinho" ou "moreno", o tipo de negro " aceito pelo sistema". Não me lembro de ter visto ou ouvido desse rapaz qualquer  evidencia de que conhece a realidade perersa imposta pela sociedade brasileira aos seus filhos negros. Isso adiconado a sua história visível (pois é uma pessoa em destaque na mídia) de sempre se fazer acompanhar por mulheres de pele clara.Talvez seja o tipo de pessoa que se adapta ao projeto de " embranquecimento do Brasil"aí, talvez para enfatizar a sua ligação com "a raça verde-amarela" qeuis ser engraçado rdicularizando "os negros" com os quias ele nao se identifica, é claro (?).Não podemos esqeucer que ele chorou nos ombros de George Bush, ao se apresentar na Casa Branca.Ele deve ser incorporado a um setor negro brasileiro que tem em Pelé seu representante máximo.Lembro ainda com indiginação que durnate a década de 60, Pelé foi convidado pela Comunidade do Harlem para  conhecer esse famoso bairro negro de Nova York. A única restrição é que ele só levasse com ele para essa visita, seus companheiros negros. Ele teria recusado o convite alegando que "no Brasil não tem racismo".De lá para cá ele não parece ter mudado muito pois até se recusou a assumir a paternidade da sua filha negra, mesmo sendo obrigado pela Justiça,em consequencia do resultado positivo de um teste de DNA. Indivíduos como esses portadores de mentes colonizadas e culturalmente subalternos a europeização são os prestadores dos maiores deserviços a causa da emancipaçao e da reparação do genocído cometido contra o negro nesse Brasil.Que bom que a Justiça está se fazendo.

© 2017   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço