XXXI ª MARCHA DA CONSCIÊNCIA NEGRA DA CONEN

Caminhada do 20 de novembro da Conen homenageia Almirante Negro



Neste sábado 20 de novembro, a partir das 14 horas , a Coordenação Nacional de Entidades Negras –CONEN, organização do Movimento Negro, realiza
sua 31ª Marcha da Consciência Negra. A marcha sai do Campo Grande sentido Praça
da Sé, tendo este ano como objetivo homenagear e lembrar um dos importantes
ícones da luta negra no Brasil o marinheiro João Cândido. “A Conen é uma das
organizações que vem orientando a luta política contra o racismo de forma
precisa, entendendo que para o Brasil ser igual é preciso que suas gerações
cresçam sem racismo, machismo, preconceito e discriminação de qualquer
natureza” afirma um dos coordenadores da caminhada Cristiano Xadê



O 20 de novembro foi estabelecido pelo projeto lei número 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003. A criação desta data foi importante, pois serve como um dos
momentos de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo
africano na formação nacional. Os negros africanos colaboraram muito, durante a
história, nos aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos do
Brasil. Logo o 20 de novembro é um dia que se comemora nas escolas, nos espaços
culturais e em outros locais, a valorização da cultura afro-brasileira completa
Xadê. Por conta destes fatores a Conen irá homenagear este grande ícone
chamado João Candido.



João Cândido é conhecido como o herói da Revolta da Chibata. Ele liderou em 1910 o motim no qual dois mil marinheiros negros obrigaram a Marinha a
extinguir punições desumanas contra os soldados, como ofensas, comida estragada
e chicotadas. Os revoltosos conseguiram seu objetivo, mas foram expulsos dos
quadros militares, presos ou mortos. Só recentemente João Cândido saiu da condição
de personagem esquecido da historiografia oficial para o papel de protagonista.



Quem foi João Cândido?


Em 2008, uma lei concedeu anistia póstuma a ele e a outros marinheiros. A reparação, porém, foi incompleta. No ano do centenário da Revolta da Chibata,
João Cândido e os outros revoltosos continuam sem as devidas promoções e seus
familiares sem receber indenização ao contrario de diversos nomes da ditadura
militar.



Por causa da exclusão da Marinha, ele não pôde mais conseguir emprego formal. Mudou-se para São João de Meriti, onde parte de sua família vive até hoje. Por décadas,
sustentou a mulher e os sete filhos com o que ganhava como pescador. Uma imagem
nada condizente com o personagem épico que o jornal “O Paiz” descreveu como “o
árbitro de uma Nação de 20 milhões de almas”. João Cândido morre na
miséria em 1969, em Meriti.



Cantado em versos e prosas por artistas como Elis Regina e o compositor Aldir Blanc, autor da letra do samba “O Mestre-Sala dos Mares”, em parceria com João Bosco
Lançada na década de 70, em plena ditadura, a música conta a história da
Revolta da Chibata.


A Revolta da Chibata se desenrolou entre 22 e 27 de novembro de 1910, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, então capital federal. A Marinha tornou público
seu ressentimento contra João Cândido em 2008, quando o presidente Luiz Inácio
Lula da Silva inaugurou uma estátua em homenagem a ele, na Praça XV. Na
ocasião, oficiais reclamaram e só se acalmaram quando conseguiram a garantia de
que o monumento não ficaria de frente para a Escola Naval, situada ali perto. A
estátua está voltada para o mar.



O que: 31 ª Caminhada do 20 de Novembro : Revolta da Chibata João Cândido



Quando: Dia 20 de novembro


Onde: Campo Grande a Castro Alves



Realização: Coordenação Nacional de Entidades Negras- CONEN



Horário: 14 horas



Valor: Gratuito


Exibições: 19

Tags: CONSCIÊNCIA, DISCRIMINAÇÃO, MARCHA, NEGRA, NEGROS, RACISMO, ZUMBI

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

© 2014   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço