"A cada 25 minutos morre um jovem negro de forma violenta no Brasil" - Mário Theodoro da Seppir

Extermínio da Juventude Negra. Enquete produzida durante o curso de formação de lideranças para a Equidade racial e de gênero no nordeste, realizado pela Ces...

Exibições: 328

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de maria cristina batista alves em 1 abril 2012 às 18:59

Igualdade "JÀ", pois esse comportamento de extermínio a só negro não vai da em nada pois nós replicamos  rápido..., perda de tempo,a hora pra quem quiser ver dar espaço para o negro, formando-os em universidades dando-lhes  bons salários de acordo com a formação. Veja bem companheiros exterminaram muitos," Judeus", eles se multiplicaram e hoje devam ser os maiores salários do mundo,  tá ai pra quem quiser ver também...    

Comentário de Fernando Marcelino em 30 março 2012 às 23:19

Gostaria de estimular algumas reflexões pertinentes sobre o tema de modo a contribuir para a discussão... Camaçari, por exemplo, é a segunda cidade mais violenta do Brasil para a faixa etária entre os 14 e 18 anos, apesar de ser um dos municípios mais ricos do país. Vocês sabem quem mata o jovem negro em Camaçari, Lauro de Freitas e em Salvador na Bahia,? É a polícia, sim senhor, a mesma que se orgulha de recuperar 80% dos carros roubados na região metropolitana, mas que deixa insolúveis 90% dos casos de homicídio. A menos que se trate do filho do Dr. fulano, quando o assunto vira um escândalo! Todos os dados que menciono foram publicados em diferentes datas pelo jornal A Tarde e não são novidade pra ninguém, o que quero dizer com isto é que sem resolver o problema da corrupção absoluta e da violência que imperam nos meios de "segurança" pública este projeto corre o risco de queimar mais de um bilhão de dólares sem produzir resultados efetivos para a realidade dos jovens negros.

Comentário de Maria Isabel (Isa) Soares em 30 março 2012 às 17:20

Eu também, como o Ricardo Dorea, acredito na possibilidade de que o negro näo vota en negro, por baixa autoestima. Creio que o conhecimento das nossas raizes ancestrais, poderiam servir de grande ajuda. Espero a curto ou a longo prazo que a concientizaçäo nas escolas, desde essa perspectiva, tenha seus frutos. Tenho esperanças. Ademais, desde meu humilde lugar como docente, trabalho para isso, todos os dias. Podemos chegar aonde queremos. Vejam o exemplo do nosso recente advogado Leur Teixeira. Axé para tod@s nós.

Comentário de José Balbino em 30 março 2012 às 16:44

com certeza irmao. acho que uma coisa nao exclui a outra não, pelo contrário, sao complementares. aportar idéias, sugestões e projetos no ambito .gov é fundamental, mas está longe de ser na prática nossa unica frente de atuação. com certeza as micro-iniciativas, a desobediencia civil e os projetos autonomos são o próprio corpo da luta.

simbora!

Comentário de José Balbino em 30 março 2012 às 16:25

acredito que o maior dado que o video traz é que há uma movimentacao governamental em torno dessa problemática, ou seja, é o momento para as organizacoes e a sociedade civil se manifestarem, indicando acoes, propondo parcerias, pensando projetos, enfim.

Comentário de Sandra Santos em 30 março 2012 às 14:36

Com estes dados da Seppir o que está sendo feito para cobrar o governo de uma maneira direta. 

Comentário de RICARDO DÓREA em 30 março 2012 às 9:20

Bom dia pessoal!

Eu acho que as políticas de cotas não só raciais mas sociais também! Deveriam ser amplamente aplicadas na Sociedade brasileira, Porém o problema do Racismo institucional vem de  longa data e o Governo deveria promover melhorias no setor da educação e da cultura pois só assim aconteceria a transformação e até uma possível equiparação de condições entre a população que domina a sociedade os "Brancos" e a população negra e mestiça.

Chega a ser surreal... Um Estado como a Bahia onde a capital Salvador é qualificada de Roma negra e sua população é composta por mais de 80% de afrodescendentes não possuir um número expresssivo de representantes políticos como deputados nem tampouco nunca elegeu um prefeito negro que lute pelos direitos da comunidade negra...

Se vocês analisarem de perto nas empresas, repartições públicas praticamente não há negros.. O poder e o comando sempre estão nas mãos geralmente de um homem branco que ocupa na maioria das vezes os melhores cargos e ganham sempre os melhores salários... Ou seja a minoria domina a maioria esmagadora...

Porque Será que negro não vota em negro?

Será que o problema esta na baixa autoestima?

Até quando a Minoria branca dominará plenamente a maioria esmagadora da população?

Está lançada a questão!

Comentário de Eu em 30 março 2012 às 4:26

É a mentalidade do "branqueamento" é tão antiga quando a abolição. Pois nós somos a maioria.

Mas a comunidade africana-brasileira não enxerga essa ação como uma forma de intimidação,controle e possível extermínio.

O africano-brasileiro tem que se unir, pelas cotas de reparação nas universidades, empresas privadas e repartições públicas e nas aréas também de comando dessas entidades. Não contando com as leis.Temos que ter leis que estabelecem a reparação e reforça a penalidade contra o racismo.

"Quando nós amamos nos lutamos para mudar se não amamos nós apenas tiramos vantagem do que esta aí." . Al Sharpton. Aficano-Americano que participou e participa ativamente dos direitos civis.

http://www.msnbc.msn.com/id/44258842#46898639

Ame o seu país. Mude o seu país

Temos que ser visíveis e no comando desse país.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2020   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço