A matéria vergonhosa da Veja X Liberdade Universitária

Gosto da Fórum, mas não posso dizer k efetivamente tenha gostado do texto A cortina de fumaça..., mas considerando k a revista veja publicou uma matéria vergonhosa, tendenciosa e mal intencionada sobre o tema, tudo torna-se muito bom e significativo... Qualquer pessoa k vivencia o dia a dia das universidades públicas entende k o policiamento ostensivo nos campus é um prejuízo imenso à Democracia e liberdade de expressão, dentro delas. Se a polícia obedece ao governador, k por sua vez, infelizmente, ainda escolhe o reitor, qualquer manifestação pacífica de estudantes e demais funcionários, dentre eles, os professores, serão reprimidas à força. E violência institucionalizada tem levado o mundo ao caos e a guerra ! Foi assim no passado, não precisa ser dessa maneira no presente !!

Exibições: 218

Responder esta

Respostas a este tópico

Participei do movimento estudantil quando fui aluno da UFJF, ainda durante a ditadura militar. Ocupamos a Reitoria pacificamente,  não quebramos nada, nem depredamos gratuitamente o patrimônio público. Se justificava a não entrada da PM nos Campus durante o regime militar, pois as universidades tornaram-se ilhas de liberdade. Hoje em dia tal argumento é, no mínimo, faccioso. Pergunte aos pais de alunos e alunas mortos e/ou violentados se eles concordam ou não com o patrulhamento ostensivo do Campus, assolado de marginais? E é permitido em nome da liberdade de expressão depredar de forma insana um patrimônio que é de todos, não apenas de 73 ocupantes? São questões que me atormentam...

Meu querido, Marco. Compreendo seus tormentos e os considero super válidos. Todavia, há de se considerar k a consciência política e cívica que os alunos da época da ditadura militar possuiam não são os mesmos k temos hoje. Alguns ou muitos desses alunos atuais se quer sabe k houve ditadura militar, de fato - e não sei até que ponto possam ser unicamente responsabilizados por isso -. Logo, os termos de ocupação, reivindicações e interesses não podem ser os mesmos!  O contexto é outro ! As formas de violência são outras ! Ainda k a mídia, supostamente livre, continue manipulando e distorcendo as informações k veicula. O patrulhamento dos câmpus têm custos muito além dos simbólicos e da suposta proteção que a polícia possa oferecer. Até porque, a polícia não é neutra. Ela trabalha a favor dos interesses particulares de quem gerencia o Estado no momento; quase sempre, faltosos para com a moralidade, a decência e a garantias de direitos. Por outro lado, numa sociedade k se expressa e age violentamente em todas as instâncias onde há relações de poder, porque a universidade ficaria imune, isenta, isolada do que ocorre extra-muros?! O aluno que depreda o patrimônio público é o mesmo filho que a família não conseguiu educar e que nem por isso chamou a polícia para dentro de casa; é o mesmo funcionário k fraudou a empresa k trabalha e k a nossa justiça deixou de punir porque era filho de um ilustre qualquer; é a mesma criatura k em nome de uma religião inflinge danos à terceiros sem que também pague por isso. Ou seja, sem defender a delinquência em qualquer de suas manifestações, não me parece justo, sábio ou mesmo eficaz à Democracia, que a universidade, via polícia, se arvore ser o fio da navalha moral que todos devem seguir gratos e mudos. Até porque, em nossa sociedade, alguém pode dizer se sentir seguro?! A universidade, mesmo k deseje, não pode ser essa ilha de segurança que desejamos, muito menos sob escolta policial. A universidade, ainda que não queiram, é o lugar de diálogo por excelência! 

* Vale ressaltar k o motivo primeiro para essa conversa foi o matéria vergonhosa produzida pela revista Veja. A Isto É, também não fez uma abordagem muito diferente, e nem precisamos nos perguntar o porquê, não é?!

Querido Cláudio: entendo perfeitamente seu raciocínio, mas desejaria tecer algumas considerações. Sei muito bem que a mídia está a serviço não da sociedade, mas sim do grupo ou grupos sociais que a controla (m). A visão que se passa através da mídia impressa, televisionada, irradiada ou virtual passa, primeiro, pelos olhos do dono da empresa. Contudo, para quem como eu tomou porrada do Batalhão de Choque, participou de ocupação de reitoria além de ser preso por fazer boca de urna para a oposição causa no mínimo tristeza ver estudantes universitários misturando causas legítimas de reivindicação com outras abomináveis e, ainda por cima, usando de vandalismo para com o MEU patrimônio - sim, meu, pois como o bem é público ele também é meu! Na juventude me droguei de todas formas possíveis. A rebeldia é parceira da juventude, graças a Deus! Mas existem diversas formas de se rebelar, e destruir móveis, documentos, computadores e portas em razão de uma suposta liberdade de expressão, pelo menos na minha visão, é inadmissível!

Oi, Marco. Qdo puder, dê uma olhada na carta: 

Nota pública de pesquisadores da Universidade de São Paulo sobre a ...

que profs. pesquisadores da USP divulgaram acerca da crise na universidade. Um olhar bastante diferente daquele pregado pela mídia fundamentalista. 

com o afeto de sempre,

eu

Responder à discussão

RSS

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2023   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço