A Militância do Movimento Negro no Brasil.

A despeito de toda essa discussão concernente a racismo, exclusão social, identidade racial, etnia, ancestralidade, preconceito, enfim, todas essas questões que só quem vive no dia a dia, ou quem nasceu negro compreende, identifico nesse contexto algo muito semelhante ao que vemos na mídia todos os dias: muito discurso, poucas ações.

Estou falando do discurso dos “acadêmicos de plantão”, aqueles com os substantivos terminados em “ólogos”, não todos, mas a grande maioria só têm discurso vazio. Muitos falam de políticas disso, ou programas daquilo, ações afirmativas, discussões e mais discussões … mas e quanto às ações efetivas?

Todos os anos vemos milhares e milhares de pessoas nas grandes capitais do país em marchas representando os mais diversos temas. Por que não a marcha da “Consciência Negra”? Por que não sairmos do discurso e irmos para a rua? Por que não abordarmos a criança e o jovem negro ainda na escola; não como educador formal, mas como militante conscientizador.

E as redes sociais? Por que é tão inconsistente a mobilização negra nas redes? Será que é mais fácil permanecer no campo da discussão e do idealismo enquanto nossos jovens vagam por aí sem a mínima noção de quem são ou de onde vieram? Só letra de música com tema racial não vai adiantar ...

Reconheço sim que nossa cultura (negra), nossa história, nossos costumes, estão se perdendo. Também reconheço a maior característica do povo brasileiro, a miscigenação (que é vista como uma forma de “democracia étnica), como algo negativo para a população negra, na medida em que tal fenômeno disfarça o racismo e, mais que isso, cria uma pseudo-etnia. Mas deixa pra lá ...

Infelizmente a militância negra em certos aspectos parece andar em círculos. Alguns se levantam para defender a “Cultura negra”, outros, apesar de vivermos em um Estado Laico, se apegam à bandeira da religião como forma de luta; há ainda aqueles adeptos da teoria do “modismo negro”, que encarna na figura do ator, atriz, cantor, atleta, intelectual, enfim, da personalidade negra (que nem sempre se reconhece como tal) bem sucedida, como o ideal para toda a comunidade negra.

Mas qual é o caminho? Porque quando um negro se candidata a um cargo político ele não levanta essa bandeira a fim de ser reconhecido como um militante negro? Ou pior, quando um negro chega ao poder e o que deveria ser uma de suas tantas atribuições, representar a comunidade negra, é esquecido por ele. São tantos exemplos que não valem a pena serem citados. Pelo menos é o que acontece aqui em Minas Gerais, nós não temos uma liderança política que empunhe a bandeira da negritude.

Não sou adepto do modelo norte-americano de resistência do movimento negro, mas ele tem sim muitos aspectos positivos. Nos EEUU o racismo, principalmente até os anos 60, era agressivo, exposto, e de certa forma ainda é. Isso provocou a mobilização dos negros que tiveram que se unir para suplantar as dificuldades. Lá não faltam obras literárias para rememorar o passado negro. Aqui os livros de história contam a história do português empreendedor, do índio preguiçoso, e do negro escravo e sem alma.

Quando surge algo pontual, seja um programa de TV, ou um posicionamento agudo de um racista, surge a discussão, indignação, mas logo o caso é esquecido.

Acredito que o que nos falta é “resistência qualificada”, saber o que fazer, porque fazer, e quando fazer, temos que nos organizar melhor.

Há ainda outro aspecto muito interessante o qual não discutirei agora, mas lanço a discussão: O negro, das diversas partes do Brasil, tem uma leitura diferente de sua condição étnica em relação ao negro das outras regiões, e isso contribui para dilapidação da cultura negra como um todo.

Por isso amigos, a exemplo do que acontece na Bahia, devem existir pelo Brasil locais físicos como referência, e aqui não estou falando de manifestações culturais e religiosas, mas de centros de discussão e conscientização ao alcance de todos, principalmente daqueles com pouca informação, que infelizmente são maioria no universo negro.

Espero sinceramente não ter agredido ou menosprezado ninguém, sinceramente não é minha intenção, só expus minha opinião

Agradeço pela oportunidade de poder compartilhar ideias neste espaço tão democrático, eclético, e sobretudo “black”.

Ficarei feliz e receber o feedback, mesmo e, principalmente daqueles que discordarem de mim.

Um grande abraço a todos.

Wenceslau Santos

Exibições: 1233

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Hugo Ferreira em 26 agosto 2012 às 9:55

Bom dia Wenceslau. Interessante seu artigo num momento eleitoral, as preferências por candidatos ou partidos políticos se mostram nos movimentos sociais.

Muitas perguntas sobre os rumos dos movimentos, e mesmo a participação ou não participação em grupos e entidades. A ação individual ou coletiva?

No caso da coletividade negra, a questão das cotas divide, os favoráveis buscando uma ação coletiva, e os contrários acreditando que a ação individual resolve o problema da superação.

Muita fatos existem para serem discutidos e levantados. Estou compartilhando na rede, http://zambukaki.blogspot.com.br/2012/08/militancia-do-movimento-ne... e no Facebok. Parabéns e um abraço.

Comentário de Wenceslau Santos em 8 agosto 2012 às 15:46

Amigo Paulo, é bem verdade o que você observa, pendular, oscilante. Acho que nos falta um pouco de foco.

Abçs.

Comentário de Wenceslau Santos em 8 agosto 2012 às 15:44

Maria Helena, que bom que não nos sentimos sós, e acredito que na realidade não estamos, em relação a essa questão.

Acho que o alerta passa pelo que estamos fazendo aqui. Levantando a discussão.

Obrigado.

Comentário de Paulo Roberto dos Santos em 10 julho 2012 às 18:30

Sua opinião merece consideração e respeito, mas revela quão (horrível essa expressão) pendular é a consciência negra. Ela vai e volta, sobe e desce. A militância ativa tem resultados a comemorar, mas, como em tudo, ainda falta muito para chegar ao pódio da democracia plena com a inclusão de todos.

Paulo Roberto

Comentário de Maria Helena Ramos de Oliveira em 9 julho 2012 às 15:37

Um texto que estava em falta para levantar uma dicussão sobre o assunto. Acho que não estamos só. Mas, em numeros somos pucos com o mesmo pensamento. Vamos iniciar um programa de alerta? Que tal? Sempre tem que haver um começo, alguem deve dar o primeiro passo, por mais dificil que seja vale a pena tentar.

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2021   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço