Mulheres negras baianas são alvo de racismo no Orkut

Qual não foi minha surpresa quando acessei o Orkut e lá estava o convite para participar da comunidade “Nigrinha da Barroquinha”. Recusei, pois sou negro e radicalmente contra o racismo. A comunidade ainda tem uma enquete a qual pergunta o bairro de Salvador onde tem mais “nigrinhas”. Denunciei a página à administração do site, à Safernet, e procuro o contato da Dra. Eunice Martins Gomes, da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil seção Bahia (OAB/Ba), a fim de procurar ajuda no sentido de retirarmos comunidade do ar, e responsabilizar civil e criminalmente os responsáveis. Confira o teor de agressividade no link a seguir:

 

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=29714814

 

 

Exibições: 1027

Comentar

Você precisa ser um membro de Correio Nagô para adicionar comentários!

Entrar em Correio Nagô

Comentário de Luiz Souza em 10 fevereiro 2011 às 10:39

André, companheiro, não espere coerência nesta vida.... a dona da comunidade é uma mulher negra.

(ver comentário abaixo)

Comentário de André Luís Santana em 10 fevereiro 2011 às 10:26
Não sei se dá para confiar, mas o "dono" da comunidade é uma mulher: Aninha Rodrigues, além de ter várias mulheres como membro. Tá na hora das mulheres se rebelarem contra esse tipo de música machista e agressiva. Tem que não dançar, vaiar, ligar para as rádios e reclamar. Deixar os shows dessas bandas apenas com os machos escrotos que odeiam mulheres. Basta!
Comentário de Luiz Souza em 10 fevereiro 2011 às 0:36

a comunidade refere-se a uma música, de gosto duvidoso, que tem o seguinte refrão:

sei q vc jah tentou fazer alisamento,
soh q seu cabelo eh duro parecendo um cimento... msm assim meu coração conquistou, cabelo de cabo de aço de elevador..."

Translation:

Publicidade

Baixe o App do Correio Nagô na Apple Store.

Correio Nagô - iN4P Inc.

Rádio ONU

Sobre

© 2022   Criado por ERIC ROBERT.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço